Fonte: OpenWeather

    Operação Sangria


    Ministro rejeita denúncia contra Simone Papaiz e Flávio Antony

    O ministro Francisco Falcão votou pela rejeição da denúncia contra o secretário chefe da Casa Civil do Governo do Amazonas, Flávio Antony, e a ex-secretária de Saúde Simone Papaiz, na Operação Sangria

     

    Flávio Antony e ex-secretária de saúde Simone Papaiz
    Flávio Antony e ex-secretária de saúde Simone Papaiz | Foto: Divulgação

    MANAUS – O ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ, em sessão que analisa a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) nesta segunda-feira (20), votou pela rejeição da denúncia contra o secretário chefe da Casa Civil do Governo do Amazonas, Flávio Antony, e a ex-secretária de Saúde Simone Papaiz na Operação Sangria, que apura superfaturamento na compra de respiradores pelo governo do estado, durante início da crise pandêmica no Estado.

     Falcão, que é relator da ação penal, sustentou que não há indícios da participação de Papaiz e Antony no caso dos respiradores.

    Prisão temporária durante Operação Sangria

    Ao determinar a prisão temporária da ex-secretária de Saúde do Amazonas, Simone Papaiz, na Operação Sangria, no ano passado, o ministro Francisco Falcão afirmou, na ocasião, que ela não auxiliou os órgãos de controle na apuração de irregularidades na compra de 28 respiradores por R$ 2,9 milhões e dificultou a fiscalização do Tribunal de Contas do Amazonas.

    Na época, escreveu o seguinte:  “Embora tenha assumido após o início dos procedimentos de dispensa de licitação investigados, há indícios no sentido de que Simone Papaiz não buscou sanar as irregularidades noticiadas, mas ao contrário, dificultou a atuação dos órgãos de controle, o que levou o Tribunal de Contas do Estado do Amazonas a recomendar seu afastamento do cargo”.

    Leia mais:

    Polícia Federal investiga desvio de recursos da saúde pública do AM

    Governador Wilson Lima diz estar tranquilo e quer esclarecer os fatos

    Confira quem são os presos na 'Operação Sangria', no Amazonas