Fonte: OpenWeather

    CPI da Pandemia


    CPI deve convocar Paulo Guedes para esclarecer caso da Prevent Senior

    Advogada de ex-médicos relatou encontros de representantes da empresa com membros do Ministério da Economia para discutir "tratamento precoce"

     

     

    | Foto: Divulgação

    Brasília - O recente envolvimento da equipe econômica do governo federal nas denúncias acerca da Prevent Senior voltou o radar da CPI da Covid-19 ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Nesta terça-feira (28), o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), defendeu a convocação do chefe da pasta.

    "

    Senhor relator, eu acredito que, a partir do depoimento da doutora Bruna, é inevitável, pelo menos, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, se não o ministro Paulo Guedes, estar presente nesta Comissão Parlamentar de Inquérito na semana que vem "

    , apelou o senador ao relator Renan Calheiros (MDB-AL).

     

    A convocação decorre de informação trazida ao colegiado pela advogada Bruna Morato, que representa ex-médicos da operadora de saúde. Aos senadores, ela narrou ter conhecimento que a direção da empresa buscou aproximação com o chamado “gabinete paralelo”, suposto grupo de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia de Covid-19.

    Bruna Morato disse que seus clientes relataram haver preocupação da diretoria-executiva da Prevent Senior em se aproximar do Ministério da Saúde, após críticas do então ministro Luiz Henrique Mandetta.

    “Pedro Batista tentou se aproximar do Ministério da Saúde por causa das críticas do ministro Henrique Mandetta, com a proliferação do vírus na empresa. Nessa tentativa, ele buscou um médico que era primo ou sobrinho do Mandetta. Essa aproximação não teria dado certo”, relatou a advogada à CPI da Covid-19.

    “Não deixar o país parar”

    “De modo que ele [Pedro Batista] tentou se aproximar de supostos assessores que estariam orientando o governo federal. Esses assessores estariam alinhados com interesses do Ministério da Economia”, acrescentou.

    Bruna Morato, todavia, destacou que em momento algum ouviu o nome do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas que as propostas do gabinete estavam alinhadas aos interesses do Ministério da Economia, no sentido de “não deixar o país parar”.

    “Existia um plano para que as pessoas pudessem sair às ruas sem medo”, afirmou a depoente, acrescentando que o grupo propunha como solução a administração de hidrocloroquina.

      A advogada citou os nomes dos médicos Anthony Wong, Nise Yamaguchi e Paolo Zanotto, que fariam parte desse grupo. “A Prevent Senior iria entrar para colaborar com essas pessoas, que chamamos na denúncia como ‘pacto’”, disse.  

    Os profissionais de saúde representados por Bruna Morato elaboraram um dossiê entregue à comissão. O documento apresenta denúncias de uso indiscriminado, nos hospitais da empresa, de medicamentos – como cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina – sem comprovação de eficácia para o tratamento da Covid-19.

    Gabinete paralelo

    A empresa, conforme revelou o Metrópoles, adotou o protocolo de administrar esses fármacos e passou dados para acompanhamento do governo federal. O padrão de uso foi desenvolvido com a ajuda de ao menos um membro do “gabinete paralelo”, que aconselhou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Brasil vai insistir em mudanças no Mercosul, segundo Paulo GuedesCâmara deve adiar análise da reforma administrativaRodrigo Guedes cobra pagamento de indenização de ex-servidores da CMM