Fonte: OpenWeather

    Inflação


    “Paulo Guedes usa inflação para atacar Zona Franca", diz Zé Ricardo

    Segundo o parlamentar, a redução do Imposto de Importação, promovida por Guedes, pode gerar crise e desemprego na Zona Franca de Manaus

     

    | Foto: Divulgação


    Brasília - Para o ano de 2022, a alta da inflação deve ser contida por meio da redução em 10% o Imposto de Importação (II) usado pelo Mercosul no comércio com outros países, de produtos e insumos vindos do exterior, já. No entanto, para o deputado federal Zé Ricardo (PT), reduzir Imposto de Importação é atacar, mais uma vez, a Zona Franca de Manaus (ZFM), ao promover ainda mais a abertura de mercado, tornando o produto importado mais competitivo frente ao nacional.

    "

    Essa medida não ataca o problema principal. Sendo concretizada, irá atingir todos os segmentos da indústria nacional. Vamos ter uma série de consequências, agravando ainda mais a economia do país e do Amazonas. Primeiro, será a geração de empregos em outros países e depois a desindustrialização, quando se deveria apoiar neste momento as grandes, médias e pequenas e micro empresas brasileiras. Mas o Governo quer fazer o contrário, aumentando a dependência de importações "

    , declarou Zé Ricardo.

     

    Para ele, deve-se mudar a política de preços dolarizados da Petrobras, que atinge diretamente as indústrias brasileiras, com aumentos descontrolados da gasolina, do gás de cozinha, dos combustíveis de um modo geral.

    “Isso também tem influência na cadeia produtiva, afetando as indústrias. Como também o aumento quase que mensal da energia, resultado da privatização, e que também acarreta em mais custos e despesas para os setores industrial e comercial. É aqui que precisamos de emprego. Vamos continuar defendendo a Zona Franca e os empregos no país e no nosso Estado", completou.

    Leia mais:

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Câmara derruba veto de Bolsonaro e proíbe despejos na pandemia

    Câmara deve adiar análise da reforma administrativa

    Anistia Nacional lista violação de direitos no governo Bolsonaro

    Comentários