Fonte: OpenWeather

    Eleições


    Coronel Menezes "segue" Bolsonaro e confirma ida ao PL

    A decisão de Menezes foi tomada logo após a divulgação da filiação de Bolsonaro marcada para a próxima terça-feira (30), às 10h30, em Brasília

     

     

    | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Depois da confirmação da ida do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)  para o Partido Liberal (PL), divulgado pelo chefe nacional da sigla, Valdemar Costa e Neto, na última terça-feira, o veterano do Exército Brasileiro, coronel Alfredo Menezes, sinaliza também sua ida para o partido. 

    Ao ser perguntado sobre a convivência no PL com o deputado Marcelo Ramos, opositor declarado do governo Bolsonaro, Menezes foi enfático.

    "

    Se ele tiver um mínimo de vergonha na cara e decência deveria deixar o partido imediatamente e filiar-se ao PC do B, PSOL e até ao PT que é onde estão a sua essência e raízes "

    , disse.

     

    A decisão de Menezes foi tomada logo após a divulgação da filiação de Bolsonaro marcada para a próxima terça-feira (30), às 10h30, em Brasília.

    Menezes é filiado ao Patriota, por onde disputou o cargo de Prefeito, em 2021. No entanto, ele sempre deixou claro em seus pronunciamentos que é um soldado do presidente e iria se filiar no partido em que Bolsonaro fosse para disputar a reeleição em 2022. 

    A data da filiação do presidente foi definida após reunião entre Bolsonaro e Costa Neto. Esta é a segunda vez que o PL anuncia a filiação do presidente da República. A primeira foi no dia 10 de novembro, onde Costa Neto divulgou um vídeo convocando todos os filiados para o ato que ocorreria no dia 22 de novembro, mas foi cancelado. Entretanto, após reunião ocorrida com todos os presidentes regionais, quarta-feira passada, foi dada "carta-branca" para Bolsonaro mexer nas alianças regionais e facilitar a filiação do presidente da nação ao partido.

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais:

    Bolsonaro "casa" com o PL: “Seremos felizes para sempre”

    Menezes vai a Brasília discutir vinda de Bolsonaro a Manaus

    Xadrez político: pré-candidatos do AM já movem as peças para 2022