Fonte: OpenWeather

    Câmara Municipal de Manaus


    Conversa de vereadores incomoda palestrante no plenário da CMM

    Falta de educação? As conversas paralelas entre os vereadores homens no Plenário da Câmara Municipal de Manaus, na manhã desta quarta-feira (24), demonstraram o grau de desinteresse ao tema da tribuna

     

    Câmara Municipal de Manaus
    Câmara Municipal de Manaus | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - As conversas paralelas entre os vereadores homens no Plenário Adriano Jorge, da Câmara Municipal de Manaus (CMM), na manhã desta quarta-feira (24), demonstraram o grau de desinteresse a um tema da tribuna popular “16 dias de ativismo: vamos falar de feminicídio!”. O Portal EM TEMPO relata aqui conteúdo publicado no site O Poder, primeiramente. 

    Vereadores deselegantes

    A deselegância dos vereadores, incomodou a convidada, a mestra em Segurança Pública, Cidadania e Direitos Humanos e advogada Cynthia Rocha Mendonça, e a proponente vereadora Professora Jacqueline Pinheiro (Podemos). 

    "

    Me desculpe, mas eu vou quebrar a liturgia. Estou numa Casa que está repleta de homens e estou vendo a maioria em conversas paralelas. Estamos em uma ação que é voltada para combater esse tipo de comportamento. Então, me perdoem, Vossas Excelências, eu gostaria da atenção dos senhores pois são vetores de informação. Se eu conseguir a atenção dos senhores será de muito valia. Perdão, não irei demorar muito. "

    Cynthia Mendonça, Mestre em Segurança Pública, Cidadania e Direitos Humanos

     

    Cynthia é a autora do livro Feminicídio, que será lançado nesta quinta-feira, 25, às 16h, na Ordem de Advogados do Brasil – seccional Amazonas (OAB-AM). A tribuna foi requerida pela Comissão da Mulher da Casa Legislativa em razão dos dados de violência doméstica na pandemia.

    Quebra de liturgia

    No momento que a convidada Cynthia Mendonça mostrava dados, o barulho das conversas paralelas pôde ser ouvido na transmissão do Parlamento. Em um dado momento, ela pausou a apresentação e reclamou do comportamento dos vereadores.

    Os vereadores Raiff Matos (DC), Sassá da Construção Civil (PT), Capitão Carpê Andrade (Republicanos), Lissandro Breval (Avante) e William Alemão (Cidadania) estavam conversando paralelamente.

    Após o pedido, o plenário voltou a atenção parcialmente para a convidada.

    Aula da Professora Jacqueline

    Ao término da exposição, a vereadora Professora Jacqueline Pinheiro (Podemos) reclamou da atitude dos colegas. “Agradeço doutora Cynthia por tirar seu precioso tempo para a vir aqui abrilhantar com as suas informações sobre a violência contra a mulher. Agradeço a meus amigos pelo comportamento exemplar de estar aqui, ouvindo e contribuindo”, alfinetou.

    “Gente, eu vou pedir para os colegas que não querem participar para, ao menos, fazerem silêncio. Nós estamos tratando de um assunto tão importante. Está um conversando com o outro. Isso é um desrespeito ao nosso trabalho aqui. Eu me sinto incomodada. Programamos um momento desse, com uma pessoa de renome para conversar e as pessoas ficam conversando, um para um lado e para o outro. Fica desconfortável”, desabafou

    A veradora continuou:  “Nossa Casa está aqui para receber e receber com qualidade. Me desculpem o desabafo, mas, como professora, isso me incomoda. Os funcionários da Casa e o vereador Sassá poderiam trabalhar suas temáticas mais tarde. Chamar nesse nível é complicado”, repreendeu a parlamentar.

    Aula de educação

    Após o ‘desabafo’ da vereadora, a tribuna ocorreu normalmente. O silêncio e “bom comportamento” renderam elogios irônicos de Professora Jacqueline ao fim da tribuna. “A sala de aula está exemplar agora. ‘Né, menina? Tão de parabéns’. Professor é assim. Ele ensina e parabeniza. É o condicionamento operante para estimular. Agora estou parabenizando vocês pelo comportamento exemplar”, falou.

    Fonte: Com informações de O Poder.