Críticas


Ministro da Educação é um "desastre", afirma Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante evento em SP, criticou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e afirmou que o Brasil “não tem futuro” com uma pessoa como o atual ministro no comando da educação no Brasil

 

Cada ano que se perde com a ineficiência, com um discurso ideológico de péssima qualidade na administração, acaba prejudicando os anos seguintes, disse Maia
Cada ano que se perde com a ineficiência, com um discurso ideológico de péssima qualidade na administração, acaba prejudicando os anos seguintes, disse Maia | Foto: Reprodução

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e afirmou que o Brasil “não tem futuro” com uma pessoa como ele no comando do Ministério. As críticas ocorreram em São Paulo, durante um evento sobre economia e reformas necessárias ao País.

"O ministro da Educação atrapalha o Brasil, atrapalha o futuro das nossas crianças, está comprometendo o futuro de muitas gerações. Cada ano que se perde com a ineficiência, com um discurso ideológico de péssima qualidade na administração, acaba prejudicando os anos seguintes. Mas quem demite e quem nomeia ministro é o presidente — afirmou Maia.

As críticas ocorrem após problemas na divulgação dos resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e de a Justiça barrar o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) — ele foi liberado depois.  "Ele é um desastre, acho que atrapalha o futuro de milhões de crianças. A situação é grave. Mas se vai demitir ou não, eu não tenho preocupação com isso. Este não é o meu papel. Perguntaram minha opinião e eu falei — disse Maia.

Na quarta-feira, Maia já havia feito críticas a Weintraub. Até a publicação desta matéria, Weintraub não havia se manifestado sobre as frases de Maia. 

A reportagem do jornal Valor destaca que "o presidente da Câmara criticou também o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e afirmou que o titular da Pasta “perdeu condições de ser interlocutor” com investidores. “Não sei o que o governo vai fazer com o ministro do Meio Ambiente”, declarou. “Perdeu condições de ser interlocutor. Radicalizou demais”, reforçou."