Fonte: OpenWeather

    Polícia Federal


    Bolsonaro escolhe Alexandre Ramagem para assumir Polícia Federal

    Alexandre Ramagem é homem de confiança do presidente e dos filhos. Delegado de carreira, ele teria se aproximado da família durante a campanha para presidência em 2018

    Delegado de carreira, Alexandre Ramagem aproximou-se da família Bolsonaro durante a campanha para presidência em 2018
    Delegado de carreira, Alexandre Ramagem aproximou-se da família Bolsonaro durante a campanha para presidência em 2018 | Foto: Divulgação

    Brasília - O presidente Jair Bolsonaro escolheu o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, para comandar a Polícia Federal, após ter exonerado o delegado Maurício Leite Valeixo, do cargo, em ato que saiu publicado na edição do Diário Oficial da União desta sexta-feira (24).

    Pessoas próximas à família Bolsonaro dizem que Alexandre Ramagem é homem de confiança do presidente e dos filhos. Delegado de carreira, ele teria se aproximado da família durante a campanha para presidência em 2018, quando comandou a segurança do presidente após o episódio da facada em Juiz de Fora (MG).

    Delegado da Polícia Federal desde 2005, Ramagem comandou, de 2013 a 2014, a Divisão de Administração de Recursos Humanos e de Estudos, Legislações e Pareceres, de 2016 a 2017. Em 2017, Ramagem integrou a equipe responsável pela investigação e Inteligência de polícia Judiciária na Operação Lava Jato e da Operação que resultou na prisão da cúpula da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

    Em 2018, antes de atuar na segurança de Bolsonaro, assumiu a coordenação de Recursos Humanos da Polícia Federal, na condição de substituto. Após a eleição, em janeiro de 2019, trabalhou na Secretaria de Governo. Logo em seguida assumiu a Abin. 

    Troca de comando da PF

    A troca no comando da Polícia Federal culminou na demissão do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Em pronunciamento à imprensa, o ex-juíz da Lava Jato informou que entregou o cargo, já Valeixo era seu braço-direito e homem de confiança.

    Saiba mais sobre a crise no governo:

    Moro deixa ministério da justiça e faz duras críticas a Bolsonaro

    Bolsonaro diz que vai restabelecer a verdade sobre Bolsonaro Valeixo e Moro

    FHC pede renúncia de Bolsonaro e diz: poupe-nos de um impeachment