Fonte: OpenWeather

    CPI da Covid-19


    "Bolsonaro sugeriu modificar bula da cloroquina", diz Mandetta

    Mandetta, ex-ministro da Saúde, afirmou que Bolsonaro sugeriu modificar bula da cloroquina para tratar Covi19

     

    | Foto: Divulgação

    Em depoimento à CPI da Covid, o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta terça-feira (4), que ele teve acesso, durante uma reunião com ministros no Palácio do Planalto, ao que seria uma proposta de decreto presidencial para uma mudança na bula da cloroquina: incluir a Covid dentre as doenças que poderiam ser tratadas pelo remédio. 

    “Ele (Bolsonaro) tinha um assessoramento paralelo. Havia sobre a mesa um papel não timbrado de um decreto presidencial para que fosse sugerido naquela reunião mudar a bula da cloroquina na Anvisa para que na bula tivesse a indicação do medicamento para o coronavírus. O presidente da Anvisa disse que não. Jorge Ramos disse que era uma sugestão”, disse Mandetta.

    O ex-ministro da Saúde disse ainda ter testemunhado por diversas vezes a presença do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, em reuniões ministeriais. “Testemunhei várias vezes reunião de ministros em que o filho do presidente que é vereador do Rio de Janeiro estava sentado atrás dele tomando notas. Eles tinham reuniões dentro da Presidência”, concluiu.

    Segundo Mandetta, o próprio diretor-geral da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discordou dessa medida, e o ministro "Jorge Ramos" minimizou a questão, dizendo que era apenas uma sugestão. Na época, o Planalto não tinha um ministro com esse nome, mas um chamado Jorge Oliveira, na Secretaria-Geral, e outro Luiz Eduardo Ramos, na Secretaria de Governo.

    Vacina

    Mandetta foi enfático quando perguntado se, enquanto estava no cargo, alguma empresa ou entidade apresentou perspectivas de vacinas. Mandetta disse que não, mas que se houvesse vacinas à época iria atrás delas como um prato de comida.

     "Naquele momento tínhamos uma lista de iniciativas. Nós torcíamos, nós sabíamos que, quando há vírus, a humanidade enfrenta com vacina, desde a varíola. Mas estavam ou na concepção de fórmula, ou testando em laboratório com ratos — disse o ex-ministro. Ele afirmou ainda que, se houvesse vacinas, teria ido atrás".

    Leia mais:

    CPI da Covid: Acompanhe ao vivo o depoimento de ex-ministro Mandetta

    CPI da Covid cria expectativas: quem ganha e quem perde?

    CPI ouve ex-ministros Mandetta e Teich nesta terça-feira (4)