Fonte: OpenWeather

    STF


    Políticos conservadores do AM criticam prisão de Roberto Jefferson

    A medida pelo Supremo Tribunal Federal foi cumprida pela Polícia Federal nesta manhã e deputados da base governista falam em 'ditadura'

     

     

     

    A PF listou diversos vídeos e publicações de Jefferson em redes sociais com esses ataques, que fundamentaram o pedido de prisão.
    A PF listou diversos vídeos e publicações de Jefferson em redes sociais com esses ataques, que fundamentaram o pedido de prisão. | Foto: Reprodução

    Manaus (AM) - A prisão do ex-deputado Roberto Jefferson, nesta sexta-feira (13), inflamou os debates sobre as recentes decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) entre representantes da bancada amazonense no Congresso Nacional. Em meio a divergências, muitos deputados da base governista alegaram desconfianças em relação aos decretos dos ministros logo após a prisão preventiva do ex-parlamentar. 

      Investigado por suposta ligação à milícia digital que atacava as instituições democráticas, o presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) teve pedido de prisão emitido pela Polícia Federal, que detectou a atuação de Jefferson em ataques aos ministros do Supremo. O ex-deputado, inclusive, chegou a assinar pedido de impeachment do ministro que decretou sua prisão.  

    Fiel defensor governista, o deputado federal Capitão Alberto Neto (Republicanos) demonstrou profunda indignação com a prisão de Roberto, que também é amplo defensor do governo, além de ferrenho critico ao STF. 

    "Olha o país que estamos vivendo. Esse STF é o mesmo que colocou nas ruas o maior criminoso da história deste país. Olha as contradições que esse STF comete. O Supremo tem um objetivo: destruir o governo Bolsonaro. Nós vivemos numa ditadura. Acabou com a prisão em segunda instância, mas prende políticos aliados ao governo Bolsonaro", disse o membro da Câmara por meio das redes sociais, na tarde desta sexta-feira (13).

     
    O deputado federal Pablo não acredita que a decisão pela prisão preventiva tenha sido acertada
    O deputado federal Pablo não acredita que a decisão pela prisão preventiva tenha sido acertada | Foto: Divulgação

    Também integrando a base do governo, o deputado federal Delegado Pablo (PSL) comenta sobre o suposto cerceamento de livre arbítrio pelo Supremo.

    "Estamos vivendo num tempo em que as pessoas estão perdendo totalmente o direito de se manifestar e dar as suas opiniões sobre tudo. A minha visão é que estamos ofendendo a liberdade de expressão neste país", declarou. 

    Oposição

    A PF listou diversos vídeos e publicações de Jefferson em redes sociais com esses ataques, que fundamentaram o pedido de prisão. Por enquanto, o ex-deputado encontra-se no Presídio José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. É comum que os ministros do Supremo façam reunião antes de decretar prisão de políticos, porém, pelo fato de Jefferson não estar exercendo mandato, Moraes tomou a decisão sozinho.

    Além disso, recentemente, o ministro Moraes mandou incluir Bolsonaro na apuração de fake news, por conta da live que o presidente dedicou a atacar a idoneidade do sistema eleitoral brasileiro. O presidente é investigado também por vazar informações sigilosas da PF (Polícia Federal) sobre o ataque hacker sofrido pelo TSE em 2018. Tecendo críticas às reclamações dos colegas de Câmara, o deputado federal Marcelo Ramos (PL) pediu "vamos parar o mimimi" em relação à prisão. 

    "

    Ninguém é preso por ser conservador ou por criticar os ministros do STF. São milhares de críticas aqui. É preso quem ameaça os ministros com armas e instiga as pessoas a violência contra os Poderes. A hora é de pensar no país e baixar a temperatura. A liberdade de expressão é instrumento do Estado Democrático de Direito e não arma para ser usada contra ele "

    , comentou.

     

    Já no âmbito da Assembleia Legislativa do Amazonas, o deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) avaliou que ainda não foram divulgados elementos suficientes para que sua avaliação do decreto de prisão seja feita. Ele defende ser necessário ter calma antes de emitir opiniões em momentos como estes. 

    "O ex-deputado vinha fazendo manifestações explícitas de agressão à democracia e poderes constituídos, a princípio sou contra as prisões, só em último caso. Dependendo daquilo que efetivamente ocorreu, a polícia federal e o ministro Moraes devem proceder com os protocolos", apontou. 

      Neste cenário polêmico, um grupo de apoiadores organiza um protesto em Brasília, no início desta noite, para reivindicar a soltura do presidente nacional de Roberto Jefferson. Os manifestantes querem se reunir na frente do prédio da Suprema Corte, a partir das 18h. Entre as pautas, a alegação de que o ex-deputado federal seria um “preso político”. No entanto, o deputado estadual Fausto Júnior, acredita que a prisão preventiva foi acertada.  

    "Sou a favor que sejam respeitados os ritos constitucionais e o devido processo legal. Também acredito que devemos proteger as prerrogativas constitucionais das instituições na totalidade, assim como a liberdade de expressão. É preciso diferenciar posicionamentos políticos de difamações. Isso tem que valer para todos", afirmou. 

    Leia mais:

    Ministério Público do Rio pede prisão da ex-deputada Flordelis

    Deputado Zé Ricardo vota contra “MP da Minirreforma Trabalhista”

    Prefeito de Manacapuru firma contrato com investigado pelo MPAM

    • | Foto:
    • | Foto:
    • | Foto: