Fonte: OpenWeather

    Manifestações


    Ministro do STF pede responsabilidade para o dia 7 de setembro

    Segundo Fux, as liberdades dos cidadãos não são benesses do Estado, mas conquistas da democracia brasileira

     

    O presidente também disse que a Corte é defensora da liberdade de expressão e que a “postura ativa e ordeira da população” a favor de pautas sociais e ideológicas fazem parte da democracia.
    O presidente também disse que a Corte é defensora da liberdade de expressão e que a “postura ativa e ordeira da população” a favor de pautas sociais e ideológicas fazem parte da democracia. | Foto: Divulgação


    Brasília -  Em discurso na abertura da sessão da Corte nesta quinta-feira (2), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, pediu responsabilidade cívica e respeito institucional nas manifestações de rua que estão programadas para o dia 7 de setembro. Segundo Fux, as liberdades dos cidadãos não são benesses do Estado, mas conquistas da democracia brasileira. 

    "

    Por isso mesmo, esta Suprema Corte, guardiã maior da Constituição e árbitra da Federação, confia que os cidadãos agirão em suas manifestações com senso de responsabilidade cívica e respeito institucional, independentemente da posição político-ideológica que ostentam "

    , afirmou.

     

    O presidente também disse que a Corte é defensora da liberdade de expressão e que a “postura ativa e ordeira da população” a favor de pautas sociais e ideológicas fazem parte da democracia. 

    “Num ambiente democrático, manifestações públicas são pacíficas, por sua vez, a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças. O exercício de nossa cidadania pressupõe respeito à integridade das instituições democráticas e de seus membros”, completou.

    *Com informações da Agência Brasil

    Leia mais:

    "Será liberado", diz Romero Reis sobre ato bolsonarista na Ponta Negra

    Em menor número, indígenas ainda acampam no DF contra Marco Temporal

    Bolsonaro sanciona lei que revoga LSN, mas veta punição a fake news