Fonte: OpenWeather

    STF


    “Ninguém fechará esta Corte”, diz Fux em reação a Bolsonaro

    Durante os atos de 7 de setembro, o presidente da República ameaçou o STF, dizendo que deixaria de seguir as regras da Constituição Federal

     

     

    O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, respondeu diretamente às declarações de Bolsonaro no 7 de setembro
    O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, respondeu diretamente às declarações de Bolsonaro no 7 de setembro | Foto: Divulgação

    Brasília - Nesta quarta-feira (8), após os ataques do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contra o Supremo Tribunal Federal (STF), proferidos em discursos nos atos de 7 de setembro em Brasília e em São Paulo, o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, reagiu na abertura de sessão plenária dizendo que: “ninguém fechará esta Corte" e "Nós a manteremos de pé, com suor e perseverança”, ressaltou. 

    Em resposta às ameaças de Bolsonaro de descumprir decisões judiciais do ministro Alexandre de Moraes, Fux alertou que, se o presidente da República ignorar realmente medidas impostas contra ele e a União, estará cometendo “crime de responsabilidade, que deverá ser analisado pelo Congresso Nacional”.

    "

    O STF não tolerará ameaças à autoridade de suas decisões. Se o desprezo às decisões judiciais ocorre por iniciativa do chefe de qualquer dos Poderes, essa atitude, além de representar atentado à democracia, configura crime de responsabilidade, a ser analisado pelo Congresso "

    , pontuou.

     

    O presidente do STF também disse que “ofender a honra dos ministros, incitar a população a propagar discursos de ódio contra a instituição do Supremo e incentivar o descumprimento de decisões judiciais são práticas antidemocráticas e ilícitas”

    “Não podemos tolerar, em respeito ao juramento constitucional que fizemos ao assumir uma cadeira na Corte. Não caia na tentação das narrativas fáceis e messiânicas, que criam falsos inimigos da nação”, finalizou.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Tjam nega pedido de revisão criminal a Adail Pinheiro

    Câmaras Reunidas julgam revisão criminal de ex-prefeito de Coari

    "Não há clima para impeachment de Bolsonaro", avalia Mourão