Fonte: OpenWeather

    Prisão domiciliar


    PGR pede prisão domiciliar para Roberto Jefferson

    Presidente do PTB foi preso em 13 de agosto, acusado de integrar uma organização criminosa digital para atacar a democracia

     

    Segundo a subprocuradora Lindôra Araújo, a prisão domiciliar de Jefferson “é medida suficiente para garantir a ordem pública”.
    Segundo a subprocuradora Lindôra Araújo, a prisão domiciliar de Jefferson “é medida suficiente para garantir a ordem pública”. | Foto: Reprodução


    Brasília - A Procuradoria-Geral da República, por meio da subprocuradora Lindôra Maria Araújo, defendeu nesta quarta-feira (8) que o ex-deputado Roberto Jefferson passe da prisão preventiva à prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica. Segundo Lindôra, a prisão domiciliar de Jefferson “é medida suficiente para garantir a ordem pública”.

      Denunciado pela PGR, o presidente do PTB está preso no Rio de Janeiro desde 13 de agosto, acusado de integrar uma organização criminosa digital para atacar a democracia. Os agentes cumpriram mandado expedido pelo ministro Alexandre de Moraes.  

    No último dia 27, Lindôra já havia opinado pela flexibilização da pena de Jefferson. Quatro dias depois, o ministro Alexandre de Moraes negou um pedido da defesa para soltar o ex-deputado, que mesmo preso continuou a atacar o ministro.

    Prisão

    No último dia 30, a PGR denunciou o ex-deputado federal Roberto Jefferson pela suposta prática de ao menos 4 crimes. O documento detalha uma série de entrevistas nas quais Roberto Jefferson estimulou a população a invadir o Congresso, a reagir a policiais militares e a atacar instituições, como o Supremo Tribunal Federal.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Tjam nega pedido de revisão criminal a Adail Pinheiro

    Câmaras Reunidas julgam revisão criminal de ex-prefeito de Coari

    "Não há clima para impeachment de Bolsonaro", avalia Mourão