Fonte: OpenWeather

    Manifestação


    Bolsonaristas bloqueiam Esplanada e ameaçam invadir o STF

    Um dia após os atos do dia 7 de setembro, manifestantes pedem a destituição de todos os ministros do Supremo Tribunal Federal

     

    Entre as pautas do grupo, também está a liberdade do presidente do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson e a aprovação da PEC 103, que trata do voto impresso e auditoria das eleições.
    Entre as pautas do grupo, também está a liberdade do presidente do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson e a aprovação da PEC 103, que trata do voto impresso e auditoria das eleições. | Foto: Correio Braziliense


    Brasília - Um dia após as manifestações pró-Bolsonaro do dia 7 de setembro pelo país, cerca de mil integrantes do movimento de direita reuniram-se em Brasília, nesta quarta-feira (8), e bloquearam a Esplanada dos Ministérios. Com a ajuda de caminhões e carretas, os manifestantes ameaçam invadir a pista que dá acesso ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas há contenção da Polícia Militar.

      Até o momento, o trânsito no local segue bloqueado por diversos veículos vinculados ao agronegócio. Em cima de um trio elétrico, um representante dos apoiadores afirmou ter em mãos uma carta que pede a destituição de todos os ministros do STF. Os manifestantes também pediram a prisão cautelar dos ministros e recolhimento de seus passaportes.  

    Entre as pautas do grupo, também está a liberdade do presidente do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson e a aprovação da PEC 103, que trata do voto impresso e auditoria das eleições.

    Nesta terça-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) esteve presente na Avenida Paulista, em São Paulo, durante manifestações do movimento de direita conservador do país. Na ocasião, o presidente voltou a tecer ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF), fazendo referências diretas ao ministro Alexandre de Moraes, do STF.

    *Com informações do Correio Braziliense

    Leia mais:

    Tjam nega pedido de revisão criminal a Adail Pinheiro

    Câmaras Reunidas julgam revisão criminal de ex-prefeito de Coari

    "Não há clima para impeachment de Bolsonaro", avalia Mourão