Fonte: OpenWeather

    Oposição


    PSDB anuncia oposição ao governo Bolsonaro

    O partido se reuniu após falas do presidente da República contra o Supremo Tribunal Federal. Representantes mencionam crime de responsabilidade

     

    A sigla, no entanto, não declarou que pretende ingressar com possível pedido de impeachment. Nas palavras de um influente dirigente regional da legenda, O PSDB não precisa ser a “porta-bandeira” do tema, mas também não pode "agir a reboque de outras legendas".
    A sigla, no entanto, não declarou que pretende ingressar com possível pedido de impeachment. Nas palavras de um influente dirigente regional da legenda, O PSDB não precisa ser a “porta-bandeira” do tema, mas também não pode "agir a reboque de outras legendas". | Foto: Reprodução


    Brasília - Em reunião nesta quarta-feira (8), dirigentes do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) decidiram oficializar oposição ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Em nota, o partido "repudia as atitudes antidemocráticas e irresponsáveis" adotadas pelo chefe de Estado, e afirma que deu início à discussão sobre a prática de crimes de responsabilidade pelo presidente.

      A decisão ocorre um dia após as manifestações do dia 7 de setembro pelo país, quando Bolsonaro teceu duras críticas e ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF) - em especial ao ministro Alexandre de Moraes. Na ocasião, o chefe de Estado alegou que não seguiria mais a Constituição.  

    A sigla, no entanto, não declarou que pretende ingressar com possível pedido de impeachment. Nas palavras de um influente dirigente regional da legenda, O PSDB não precisa ser a “porta-bandeira” do tema, mas também não pode "agir a reboque de outras legendas".

    A avaliação dos tucanos é de que é preciso analisar o ambiente político e, principalmente, verificar se há apoio na sociedade à saída de Bolsonaro, antes de pedir oficialmente o impeachment do atual presidente.

    Leia mais:

    Tjam nega pedido de revisão criminal a Adail Pinheiro

    Câmaras Reunidas julgam revisão criminal de ex-prefeito de Coari

    "Não há clima para impeachment de Bolsonaro", avalia Mourão