Fonte: OpenWeather

    Impeachment


    "SP comprou vacina, e não cloroquina", diz Dória em ato anti-Bolsonaro

    Convocadas pelo Movimento Brasil Livre (MBL), as manifestações pedem o impeachment do presidente da República

     

    | Foto: Reprodução


    São Paulo - O governador do Estado de São Paulo, João Dória (PSDB), marcou presença na Avenida Paulista durante manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro, neste sábado (12). Em meio à multidão, o político - que já declarou desejo de candidatar-se à presidência da República nas eleições de 2022 - discursou, entre outros pontos, sobre a falta de políticas públicas de saúde da atual Gestão do Governo Federal.

    "

    Este ato é pela defesa plena da vacina, minha gente. É a vacina que salva! E foi São Paulo que foi buscar as vacinas. Ao invés de comprar cloroquina, São Paulo comprou vacinas para salvar o Brasil, e não para salvar apenas aquele que vive em São Paulo. Hoje, mais de 96 milhões de brasileiros, como eu, tem a vacina do Butantã no braço. É vacina no braço e comida no prato "

    , declarou.

     

    O ato, convocado principalmente pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e o Movimento Vem Pra Rua, pede o impeachment de Jair Bolsonaro. Em uma tentativa de unificar forças, o movimento contou com a presença de diversos segmentos ideológicos, juntando partidos e entidades da esquerda à direita.

    A avaliação entre os organizadores é que o enfraquecimento de Bolsonaro nas últimas semanas contribuiu para aumentar a adesão.  

    O ato

      A manifestação na Avenida Paulista foi anunciada ainda em julho, quando os grupos decidiram marcar protestos para setembro, por estimarem que a vacinação estaria mais avançada no país. Apesar de o polo central ser no ato na Paulista, outras capitais também marcaram protestos; entre elas, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.  

    Em São Paulo, manifestantes se encontraram na região do Museu de Arte de São Paulo (Masp) para participar dos protestos contra o governo federal. Os manifestantes se concentram entre o prédio do Masp e a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
    Até o momento, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo não informou a quantidade de participantes.
    *Com informações do Metrópoles


    <<<<<<< HEAD ======= >>>>>>> e5a666b371d90e4920345db9572e28a6ed1fabe8