Fonte: OpenWeather

    Processo judicial


    Abraham Weintraub perde ação contra Maria do Rosário na Justiça

    Weintraub processou a petista com a alegação de que a deputada atribuiu a ele a prática dos crimes de corrupção, tráfico de influências e falsidade ideológica, em postagem feita via Twitter

     

    | Foto: Reprodução


    Brasília - Nesta semana, o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub contou com uma 2ª derrota no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Weintraub entrou com uma ação contra a parlamentar em razão de um post no qual Maria do Rosário atribuiu uma viagem do ex-ministro para os EUA às palavras "corrupção", "tráfico de influência" e "falsidade ideológica”

      No processo, o economista pediu a condenação de Maria do Rosário a pagar indenização por danos morais de R$ 5 mil, tirar o post do ar e publicar uma nota informando sobre a ação. A 21ª Vara Cível de Brasília negou os pedidos de Weintraub.  

    O ex-ministro recorreu, mas a 7ª Turma Cível rejeitou o recurso e manteve a sentença anterior. O acórdão foi publicado na última segunda-feira (13).

    Weintraub processou Maria do Rosário com a alegação de que a deputada atribuiu a ele a prática dos crimes de corrupção, tráfico de influências e falsidade ideológica, em postagem feita via Twitter. A postagem da petista falava sobre a ida de Weintraub para os EUA, após deixar o Ministério da Educação em 2020.

    A relatora do recurso em 2ª instância, desembargadora Leila Arlanch, escreveu em seu voto que a manifestação de Maria do Rosário “possui conteúdo que se relaciona à garantia do exercício da função parlamentar, fazendo incidir, portanto a imunidade parlamentar constitucional”. O voto de Arlanch foi seguido pelos desembargadores Gislene Pinheiro e Cruz Macedo.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    URGENTE: Justiça barra construção de "puxadinho" na Câmara de Manaus

    Rejeição a Bolsonaro bate recorde e atinge 53%, diz pesquisa Datafolha

    Lira: “Não está clara a política de preços da Petrobras neste momento"