Fonte: OpenWeather

    Impeachment


    “Omissão”, diz Renan Calheiros sobre Lira não pautar impeachment

    O relator da CPI da Pandemia no Senado entende que o deputado “engaveta” os pedidos pelo impeachment de Bolsonaro por medo do resultado

     

    | Foto: Reprodução


    Brasília - O relator da CPI da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou, nesta sexta-feira (17), que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), protagoniza “grande omissão” ao não pautar os pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A fala ocorreu em audiência com juristas do grupo Prerrogativas.

    Calheiros entende que o deputado “engaveta” os pedidos por medo do resultado. “O que está havendo hoje é uma grande omissão do presidente da Câmara, que não quer correr o risco de ver esta decisão sendo tratada em plenário”, disse o senador aos advogados.

    O parlamentar também reiterou a necessidade de que a CPI da Covid deixe um legado. Na avaliação do relator do colegiado, o caminho seria através de proposições legislativas que alterem a Lei do Impeachment.

    “Eu acho que estamos diante de uma óbvia oportunidade de trabalharmos na atualização da própria lei, que é de 1950, quando nós ainda não tínhamos o aparelhamento e a eficiência que nós temos hoje”, explicou Calheiros.

    Aos juristas, o senador alagoano defendeu que a CPI caminha para se encerrar nas próximas semanas.

    "

    Estamos provavelmente na fase final dos trabalhos da CPI e havíamos combinado que, com uma certa antecedência, quando chegássemos aos 30 dias do encerramento, iriamos tentar antecipar com juristas qualificados esse debate fundamental em torno da tipificação e responsabilização desses agentes políticos e privados "

    , disse.

     

    “Primeiro-ministro”

    O encontro também contou com a participação de outros membros da comissão, como o vice-presidente, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). O parlamentar endossou a fala de Calheiros e afirmou que o presidente da Câmara tem poderes semelhantes ao de um “primeiro-ministro”.

    “É uma espécie de primeiro-ministro. O presidente fica na mão dele, há excesso de poder, que não é regulado e este é um problema a ser resolvido”, defendeu. Segundo Randolfe, a solução é legislativa. “Eu prefiro promover alterações no âmbito da Lei do Impeachment”, prosseguiu.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Rejeição a Bolsonaro bate recorde e atinge 53%, diz pesquisa Datafolha

    População reprova "puxadinho" de R$ 32 milhões na Câmara de Manaus

    Lira: “Não está clara a política de preços da Petrobras neste momento"