Fonte: OpenWeather

    CPI da Pandemia


    CPI: Omar diz que será “impossível” Aras engavetar relatório

    O presidente da comissão afirma também que o relatório final deve pedir o indiciamento de mais de 30 investigados

     

     

    | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou, nesta segunda-feira (4), que será “impossível” o procurador-geral da República, Augusto Aras, engavetar o relatório final da comissão. O parlamentar disse também que o documento deve pedir o indiciamento de mais de 30 investigados.

    "

    Hoje é de conhecimento público: não dá para engavetar isso. Não dá para jogar debaixo da gaveta. Não tem como. São 600 mil vidas que se perderam”, declarou Aziz à Rádio Bandeirantes. “Não temo como. Seja o doutor Aras, o doutor João, doutor Raimundo, quem quer que seja. Não tem como engavetar "

    , , acrescentou.

     

    O parlamentar ressaltou que haverá cobranças diárias e que será “impossível isso [o engavetamento] acontecer”. “Essas coisas todas não há como segurar. Nenhum governo é eterno e isso não prescreve. São 600 mil vidas, milhões de brasileiros sequelados e pessoas que deixaram crianças órfãs”, frisou.

    O senador destacou também que a CPI não pode convocar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para prestar depoimento. No relatório, porém, constará o entendimento que a comissão teve a respeito das atitudes do chefe do Executivo, classificadas como “omissão, prevaricação, propagação de medicamentos sem comprovação científica, propagação de imunização de rebanho e gabinete paralelo”.

    Na última sexta-feira (1), o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deverá constar no relatório. O documento está previsto para ser apresentado em 19 de outubro e votado no dia seguinte.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Lira se reúne com Bolsonaro e Guedes para discutir alta da gasolina

    PL criará Programa Estadual de Tratamento de endometriose

    Lei que proíbe distribuição de sacolas plásticas terá reajuste