Fonte: OpenWeather

    Preconceito


    PL: homofobia e racismo no futebol poderá gerar multa no Amazonas

    O Projeto de Lei Nº 487/21 prevê a aplicação de multas a torcedores e aos clubes de futebol cujas torcidas praticarem atos de racismo e homofobia em estádios no Amazonas

     

     

    | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - O Projeto de Lei Nº 487/21 prevê a aplicação de multas a torcedores e aos clubes de futebol cujas torcidas praticarem atos de racismo e homofobia em estádios no Amazonas. Ao redor do mundo, jogadores e torcedores são hostilizados e ofendidos nos estádios por sua raça, cor e até mesmo por sua opção sexual.

    Conforme a autora do projeto, a deputada Mayara Pinheiro (Progressistas) o esporte é uma ferramenta para transformação social e é dever do estado exercer seu poder coercitivo na luta contra o preconceito,  trazendo medidas que exerçam reflexos visíveis na cadeia jurídica esportiva. “O esporte é forte e tem poder de transformar. Não podem existir fronteiras entre ele e as causas importantes para a sociedade”.

    O objetivo do PL é reduzir e coibir esta prática do ódio discriminatório através de duras punições a seus infratores.  A multa será no valor de até R$ 1.000,00 (mil reais), no caso de reincidência pode chegar até R$ 2.000,00 (dois mil reais). As sanções serão aplicadas considerando a gravidade do fato, reincidência e a capacidade econômica do infrator.

    Os clubes podem ter as penalidades reduzidas em até metade do valor, caso adotem medidas necessárias à identificação dos torcedores ou dirigentes que praticarem ou induzirem a prática dos atos de racismo ou homofobia.

    A infração não será considerada somente dentro dos estádios, mas, no raio de 5 mil metros ao redor do local de realização do evento esportivo. O valor arrecadado com a aplicação das multas será revertido ao Fundo Estadual de Esporte e Lazer – FEEL, para a realização de atividades de cunho social e inclusivo.

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais:

    PEC dos Precatórios: deputados pedem vista e votação é adiada

    Coari: TSE forma maioria e mantém cassação de Adail Filho

    CCJ reconhece atividade de compositor como profissão