Fonte: OpenWeather

    Orçamento Secreto


    Arthur Lira condena apelidar emendas de "Orçamento Secreto"

    “Demonizar as emendas é trazer um retrocesso, porque vamos perder emendas que seriam destinadas a hospitais filantrópicos, escolas, creches, máquinas agrícolas e benefícios a municípios", disse Lira.

     

    | Foto:

    Brasília (DF) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), criticou, nesta terça-feira (23), o fato de as emendas do relator terem sido apelidadas de “orçamento secreto” e afirmou que “demonizar” esse recurso é um “retrocesso”.

    O parlamentar, contudo, disse que é necessário resolver com o Supremo Tribunal Federal (STF) até o dia 3 de dezembro, data em que se resolverá a questão do orçamento. Caso contrário, todo o saldo financeiro voltará para o governo federal. A execução das emendas foi suspensa pelo STF por falta de transparência.

    “Demonizar as emendas do relator é trazer um retrocesso, porque vamos perder emendas que seriam destinadas a hospitais filantrópicos, escolas, creches, máquinas agrícolas e qualquer benefício que vá para os menores municípios”, pontuou Lira.

    “É muito ruim quando a gente trata as coisas por apelidos. O orçamento não é secreto, isso é uma inverdade que machuca a execução de um orçamento que cuida de mudar sempre a vida das pessoas que mais precisam”, acrescentou.

    Lira explicou que, se as emendas de relator voltarem para o Executivo, a fiscalização será dificultada. “Aí eu quero ver como você vai controlar a quem o Executivo vai dar, quando vai dar, quanto vai dar e para onde vai”, argumentou. “Isso não é democratizar”, acrescentou.

    *Com informações do Metrópoles 

    Leia mais:

    Senado faz debate sobre PEC dos Precatórios nesta terça-feira (22)

    TSE abre teste de urnas para hackers: “Buscamos falhas”, diz Barroso

    Moraes vai contra CPI da Covid-19 e nega quebra de sigilo de Bolsonaro