Fonte: OpenWeather

    Combustível


    Petrobras nega informação confirmada por Bolsonaro sobre gasolina

    O presidente Jair Bolsonaro anunciou, no domingo (5), que a estatal reduzirá os preços dos combustíveis nesta semana

     

     

    | Foto: Divulgação

    Brasília (DF) - A Petrobras declarou, na manhã desta segunda-feira (6), que não antecipa mudança nos preços dos combustíveis e que não há nenhuma decisão tomada por seu Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP) que ainda não tenha sido anunciada ao mercado.

      Segundo a estatal, as alterações nos preços dos produtos “são realizadas no curso normal de seus negócios e seguem as suas políticas comerciais vigentes”. O comunicado da estatal ocorre um dia após o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmar que a estatal anunciará nesta semana redução no valor dos combustíveis.  

    “A Petrobras começa, esta semana, já a anunciar redução do preço do combustível. O que eles (prefeitos) têm alegado, que eu tenho ouvido eles reclamarem, é que com o aumento do combustível aumenta o preço da passagem. Agora, seria bom que eles procurassem os governadores”, disse o chefe do Executivo federal. “Até porque quando o brent cai, essa coisa é automática, não é bola de cristal.”

    Depois de dizer que não comentaria as declarações de Bolsonaro, a estatal afirmou que tem um compromisso com “a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais”.

    Privatização da Petrobras

    Há tempos o titular do Palácio do Planalto reitera que a responsabilidade pelos altos valores da gasolina e do botijão de gás é dos governadores. Segundo Bolsonaro, o custo desses insumos tem relação com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é uma taxa estadual.

    Na semana passada, o mandatário do país chegou a afirmar que pensa em “rever” a paridade internacional dos preços da Petrobras.

    "

    (A Petrobras) É uma empresa sobre a qual eu não tenho domínio, tem aparelhamento. Ela busca o lucro. Tivemos um problema sério no passado. Além da corrupção, a questão da paridade com o preço internacional. Estamos buscando rever essa questão "

    , disse em entrevista

     

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais: 


    Congresso diz que vai cumprir decisão do STF sobre orçamento secreto

    Ambulância é apreendida por transportar eleitores em Coari

    Bancada do Amazonas e prefeitos tentam acordo sobre garimpo