Fonte: OpenWeather

    Covid-19


    Após Bolsonaro reclamar, Exército prepara nota esclarecendo vacina

    O Presidente Jair Bolsonaro ficou irritado com as novas orientações dadas pelo comando do Exército aos militares sobre a pandemia da Covid-19

     

     

    | Foto: Divulgação

    Brasília (DF) - A diretriz publicada pelo comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, condicionando o retorno de militares ao trabalho presencial à vacinação contra a Covid-19 causou mal-estar no Palácio do Planalto.

    O presidente Jair Bolsonaro reclamou com o ministro da Defesa, Braga Netto, de que as exigências feitas pelo Exército, que também inclui a proibição de fake News, seriam inoportunas e desnecessárias.

    Conforme relevou o jornal O Globo, após a irritação de Bolsonaro, a ordem foi que o Exército explicasse melhor a medida e agora os militares trabalham na confecção de uma nota oficial.

    A informação foi confirmada com duas fontes pela coluna, que disseram que o texto está sendo finalizado e deve ser divulgado ainda nesta sexta-feira (7).

    Defesa já tinha portaria

    Fontes militares ouvidas pela coluna tentaram minimizar o desgaste e lembraram que o próprio Ministério da Defesa já havia publicado uma portaria com conteúdo semelhante no fim do ano passado.

    A portaria (4.855), que trata do retorno gradual às atividades presenciais, prevê que "os servidores e militares da administração central do Ministério da Defesa, com exceção daqueles a que se referem as hipóteses do art. 4º, retornarão às atividades presenciais quinze dias após terem se imunizado contra a COVID-19".

    Apesar disso, na Defesa, auxiliares do ministro negam que se trata de uma exigência de vacinação.

    O artigo 4º citado no trecho da portaria prevê algumas exceções, como fatores de risco ou gestação, para a volta do trabalho presencial.

    Campanha para vice?

    A obediência crescente de Braga Neto às reclamações de Bolsonaro evidenciam, na avaliação de algumas fontes militares e do governo, o anseio do ministro em se cacifar para uma vaga de vice-presidente na chapa de Bolsonaro nas eleições de 2022.

    O nome de Braga Neto para o posto tem circulado desde o fim do ano passado, mas a viabilidade de uma chapa com o aliado militar não agrada todo o entorno do presidente, que defende um nome político que possa agregar mais votos.

    *Com informações de O Globo

    Leia mais:

    Comissão aprova acordo sobre trânsito de veículos entre Brasil e Peru

    Prefeitura entrega ordens de serviço dos cemitérios da zona rural

    PT pede que Procuradoria Eleitoral investigue Bolsonaro