Fonte: OpenWeather

    Planalto


    Justiça cobra governo sobre voos de ministros na classe executiva

    Jair Bolsonaro assinou decreto que liberou voos de ministros na classe executiva com dinheiro público

     

     

    | Foto: Divulgação

    Brasília (DF) - A Justiça Federal do Distrito Federal determinou na noite de quinta-feira (13) que o governo federal explique o decreto que liberou voos de ministros na classe executiva com dinheiro público, publicado na quarta-feira (12). O governo Bolsonaro tem cinco dias para enviar uma manifestação ao tribunal.

    A decisão é do juiz federal Marcos José Brito, em um processo movido pelo advogado Ricardo Bretanha. Na ação, Bretanha pediu a suspensão do decreto, alegando que Jair Bolsonaro autorizou despesas supérfluas em um momento de “grave situação sanitária e financeira”.

    “É fato público e notório que ainda estamos em meio a uma pandemia mundial, com necessidade de contenção de despesas desnecessárias e também supérfluas, como é o caso em tela”, escreveu o advogado.

    Na quarta-feira (12), Bolsonaro editou um decreto que autorizou o uso de dinheiro público para bancar viagens de ministros em classe executiva em voos internacionais de mais de sete horas. Com isso, o gasto público com deslocamentos de autoridades deve disparar. O benefício também passou a valer para outros servidores do alto escalão do governo federal.

    Em 2018, o então presidente Michel Temer havia decidido que o governo custearia apenas passagens aéreas na classe econômica. Caso a autoridade quisesse voar de executiva, teria de pagar a diferença.

    *Com informações do Metrópoles

    Leia mais:

    Coluna do Amom: O Manual do Ativista 

    Wilson Lima destaca ações de vacinação em supermercados de Manaus 

    Queiroz diz que foi convidado por quatro partidos para se candidatar