Fonte: OpenWeather

    Consultoria


    Plano de redução da criminalidade no AM volta a ser criticado na Aleam

    Deputados alertaram para o valor a ser pago e para uma possível ineficiência do plano que deverá ser contratado pelo governador Amazonino Mendes. A consultoria deverá ser feita por Rudolph Giuliani, ex-prefeito de Nova Iorque, pelo valor de R$5 milhões

    Principal crítico da gestão pedetista, Sabá Reis (PR) mais uma vez questionou quanto essa consultoria custará ao povo do Amazonas | Foto: Divulgação

    Os R$5 milhões que devem ser pagos pelo governador Amazonino Mendes (PDT) ao ex-prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, devido a consultoria que irá tratar da elaboração de um plano de redução da criminalidade no estado do Amazonas voltou a ser questionado pelos deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam).

    Durante o pequeno expediente da casa, parlamentares da oposição criticaram a decisão de Amazonino e alertaram para uma possível ineficiência da implantação dessa medida. O deputado Serafim Corrêa (PSB) lembrou que dez anos atrás, o Rio de Janeiro, na gestão de Sérgio Cabral (MDB-RJ), pagou US$ 12 milhões na consultoria americana e que o resultado foi a intervenção militar.

    “Em 2009 sabe quem contratou o Rudolph Giuliani? O Rio de Janeiro, na gestão do governador Sérgio Cabral pagou R$ 12 milhões. E peço a reflexão dos senhores deputados – o Rio já teve a assessoria do Sr. Giuliani por US$ 12 milhões, e sabe qual foi o resultado? Intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, e hoje o governador (Sérgio Cabral) está preso. Eu peço que o governador do Amazonas reflita sobre isso”, avisou Serafim.

    Leia também: Comunidade LGBT perde espaço de debate em Manaus

    Principal crítico da gestão pedetista, Sabá Reis (PR) mais uma vez questionou quanto essa consultoria custará ao povo do Amazonas. Ele apresentou, na semana passada, um requerimento pedindo que o secretário e o delegado geral compareçam à Aleam, na próxima quinta-feira (26), para informar sobre o que consiste o diagnóstico levado pelo governador e o protocolo de intenções com a consultoria para implantar um sistema de combate ao crime no Amazonas.

    Em contrapartida, membros da base aliada defenderam a ida do governador aos Estados Unidos em busca de soluções para a segurança pública e criticaram o discurso da oposição. Em tribuna, o líder do governo na Assembleia, Dermilson Chagas (PP),afirmou que a oposição está promovendo discussões vazias e sem propostas para resolver os problemas do Estado.

    O deputado Dermilson defende que a medida é a busca por uma pessoa que tem visão e que vai somar com todos os conhecimentos de segurança pública já existente no estado. “E ainda vejo parlamentares criticarem a iniciativa. Isso é matar a esperança que ele [Amazonino] está trazendo. Pelo visto, aqui ninguém quer o bem”, concluiu.

    O deputado Wanderley Dallas (SD) disse acreditar que o plano vai funcionar, uma vez que reduziu o problema da segurança na maior metrópole do planeta. “Segurança é segurança aqui, em Nova Iorque ou em qualquer lugar do mundo. A criminalidade tem as mesmas origens”, disse.

    Na avaliação do deputado, quem resolveu o problema de segurança em Nova Iorque tem competência para resolver o problema de segurança na maior capital da região Norte. “O desafio lá foi o mesmo que nós estamos enfrentando aqui em Manaus”, afirmou. Esse foi o primeiro debate na casa desde a reformulação dos blocos partidários, que ocorreu após o fechamento da janela partidária, no dia 7 de abril.

    Leia mais:

    Eleição para Senado no AM será mais difícil do que para governador

    Ex-prefeito de Manicoré deve ser candidato a deputado no Amazonas

    Diretório do PT formaliza candidatura de Lula para presidente