Fonte: OpenWeather

    Notas da Contexto


    Toma que o filho é teu!

    O ministro da Educação, Ricardo Velez Rodrigues, culpou o ex-titular da pasta Rossieli Soares pelas aberrações contidas no edital do Programa Nacional do Livro Didático

    Ricardo Velez Rodrigues e Rossieli Soares
    Ricardo Velez Rodrigues e Rossieli Soares | Foto: Malika

    O ministro da Educação, Ricardo Velez Rodrigues, culpou o ex-titular da pasta Rossieli Soares pelas aberrações contidas no edital do Programa Nacional do Livro Didático.

    Entre os maiores absurdos, o edital previa que os novos livros não precisariam ter referências bibliográficas (fontes científicas confiáveis), suprimia trechos que falavam da violência contra a mulher e abria espaço para que os livros didáticos contivessem anúncios publicitários.

    Quem é responsável?

    O edital foi publicado no dia 2 deste mês.

    Mas, segundo Velez Rodrigues, foi feito pela equipe de Rossieli, que foi secretário de Educação do Amazonas e hoje dirige a mesma pasta no Estado de São Paulo.

    Pente fino

    O governador Wilson Lima (PSC) está com todo o gás no seu início de mandato.

    Ele anunciou através de suas redes sociais, ontem (09), que se reuniu com parte do seu secretariado para alinhar ações.

    — A recomendação é passar um pente-fino nas secretarias. Estamos revendo contratos, processos de licitação, compras -, avisou.

    A bronca é comigo!

    Wilson também prometeu que irá equilibrar as contas públicas.

    — Vamos equilibrar gastos e despesas, por isso é preciso fazer um levantamento de tudo, em todas as áreas.

    Fusão do Basa

    O superministro Paulo Guedes tem recebido a sugestão de fundir o Banco do Nordeste e o Banco da Amazônia (Basa) com o BNDES.

    Os defensores da ideia dizem que a fusão geraria economia de despesas com o funcionamento.

    O ministro da Economia, no entanto, afirmou a interlocutores que não gosta da proposta.

    Ideia deletada

    Segue a enxurrada de críticas contra a disposição do presidente Bolsonaro instalar uma base militar dos Estados Unidos no Brasil.

    Ontem o novo comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Junior, afirmou que o presidente tirou a proposta de pauta.

    — Com relação ao assunto da base militar, o senhor presidente já falou que não está na pauta. Esse é um tema do âmbito político, e o meu âmbito é o preparo e emprego da força.

    Propaganda oficial

    Falando no almirante de esquadra Ilques Barbosa Junior, ao tomar posse no comando da Marinha, ele usou em seu discurso o slogan recém-lançado pelo novo governo.

    — Rumo a seguir: Pátria Amada, Brasil –, discursou o novo comandante, dirigindo-se a Bolsonaro.

    Terremoto na Amazônia

    Um terremoto de 6,3 graus de magnitude na escala Richter atingiu, na terça-feira, a Amazônia peruana sem que, até o momento, haja informações sobre danos pessoais ou materiais, segundo informou o Instituto Geofísico do Peru (IGP).

    Mas, na peruana

    O tremor aconteceu às 5h (horário local, 8h de Brasília) e seu epicentro foi localizado 29 quilômetros a oeste da cidade de Nauta, situada na região de Loreto, a maior da Amazônia peruana.

    Outra vez

    Duas horas antes houve outro tremor na mesma região, de 4,4 graus de magnitude, originado também a 15 quilômetros de profundidade.

    Chega de MI MI MI

    A advogada Rosangela Moro, esposa do Ministro da Justiça Sergio Moro, usou seu perfil no Instagram para mandar um recado para os brasileiros e pediu o fim das reclamações ao atual governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

    — Parem de mi mi mi e esperem para ver a que veio esse novo governo – disse ela, apostando que o governo de Bolsonaro será propina zero.

    Então, tá!

    Bonito o gesto da sra. Moro.

    Agora só fata o marido, ministro da Justiça Sérgio Moro, mandar a Lava Jato investigar o motorista Queiroz, intimar o senador Flávio Bolsonaro, e o governo vetar atos de nepotismo de seus membros.

    Você gosta das Notas da Contexto? Então leia mais:

    O celular a serviço do crime

    Cesare Battisti pode estar em fuga pela Amazônia

    Assembleia Legislativa do Amazonas entre o velho e o novo