Fonte: OpenWeather

    Repasses a Odebrecht


    PF acusa Rodrigo Maia de corrupção, lavagem e ‘caixa 3’

    Na lista de propinas da empreiteira, Maia é identificado como ‘Botafogo’ e teria recebido R$350 mil nas eleições de 2010 e 2014

    Maia é a peça-chave no jogo político que envolve na Câmara projetos de grande impacto e interesse do governo Bolsonaro | Foto: Reprodução

    A Polícia Federal concluiu uma das investigações envolvendo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e atribuiu a ele os crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro por supostamente ter solicitado e recebido repasses da Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato. 

    Na lista de propinas da Odebrecht, Maia é identificado como ‘Botafogo’ e teria recebido R$350  mil nas eleições de 2010 e 2014. O vereador Cesar Maia (DEM-RJ), pai do presidente da câmara, também é acusado dos mesmos crimes.

    Na conclusão, a PF afirma que há "elementos concretos de autoria e materialidade". Segundo os investigadores, "estão presentes indícios suficientes" de que o deputado federal e e o vereador cometeram "delito de corrupção passiva ao solicitarem e receberem contribuições indevidas nos anos de 2008, 2010, 2011 e 2014".

    O relatório da PF foi finalizado na semana passada e enviado ao relator do caso, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. O ministro enviou os autos nesta segunda-feira (26) para a Procuradoria-Geral da República (PGR), a quem cabe decidir se apresentará denúncia contra Maia com base nesses fatos. 

    Maia é a peça-chave no jogo político que envolve na Câmara projetos de grande impacto e interesse do governo Bolsonaro e do ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública, como o pacote anticrime e a Lei do Abuso, que provoca desconforto entre promotores, juízes e delegados.

    A conclusão da PF que coloca Maia contra a parede ocorre em meio a um clima nervoso que paira entre delegados da corporação e o presidente Jair Bolsonaro.

    Resposta do deputado

    Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Rodrigo Maia negou as acusações e disse que sempre recebeu apenas doações legais.

    “Sobre o relatório apresentado pela Polícia Federal, volto a afirmar que todas as doações que recebi em minhas campanhas eleitorais foram solicitadas dentro da legislação, contabilizadas e declaradas à Justiça. Nunca houve pagamentos não autorizados por parte da Odebrecht ou de qualquer outra empresa. A conclusão do relatório da Polícia Federal, portanto, não tem embasamento fático, comprobatório ou legal, já que foi baseado exclusivamente em palavras e planilhas produzidas pelos próprios delatores. Eu confio na Justiça e estou seguro que os fatos serão esclarecidos, e este inquérito, arquivado”, diz a nota, assinada pelo presidente da Câmara.