Fonte: OpenWeather

    Política


    Elevação do gás e da cesta básica é discutida na Aleam

    Os produtos tiveram alta devido à perda do incentivo fiscal aprovada no ano passado – foto: Giovanna Consentini
     
     
     
    O reajuste da cesta básica e dos combustíveis foi discutido pelo deputado estadual Marcelo Ramos (PSB) nesta segunda-feira (18), durante o pequeno expediente, na Assembleia Legislativa do do Amazonas (Aleam).
    Ele lembrou que a maioria dos parlamentares da Aleam – com exceção dele, José Ricardo (PT) e Luiz Castro (PPS) – foram responsáveis pela aprovação, no fim do ano passado, da elevação da alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da gasolina e do álcool (25% para 30%), do gás de cozinha e de todos os produtos da cesta básica (0% para 17%), o que acarretou o aumento desses itens.
    O deputado também avaliou que a justificativa da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) de que aumentou a alíquota da cesta básica porque as empresas não repassavam o desconto ao consumidor não convence.
    “Se os empresários não repassavam o desconto do imposto não teria motivo para o aumento de produtos básicos como óleo de cozinha, arroz, feijão, café, margarina, em janeiro. Não é admissível que o Amazonas pague 34% de ICMS sob o café e 25% sob o cigarro. Isso mostra uma deformação na política tributária”, criticou.
    Campanha contraCom o objetivo chamar a atenção da população para a elevação do preço da gasolina e tenta barrar esse aumento, o parlamentar deu início no início deste mês à campanha “Gasolina a R$ 3,20 não!”, por meio do endereço virtual www.gasolina3nao.com.br, onde os consumidores podem assinar ao abaixo-assinado que pede a revogação da lei complementar 212/2012 ao governador Omar Aziz.
    A partir desta terça-feira (19), a campanha deverá ganhar às ruas com a realização de uma série de panfletagens em locais de grande fluxo, como a rotatória do Eldorado, a partir das 7h, e em frente ao Posto 700, na avenida Djalma Batista, às 17h.
    As panfletagens seguem até a sexta-feira (22), quando acontece uma audiência pública solicitada por Ramos, no Auditório Beth Azize, na Aleam, às 10h, para discutir e analisar os impactos do aumento da gasolina.
    “Os consumidores, que são os mais afetados com os preços abusivos, devem se manifestar e nossa função como parlamentar é orientá-los sobre esse aumento”, explica Ramos.