Fonte: OpenWeather

    CMM


    ‘Deixe a justiça fazer o papel e apontar os envolvidos’ pede vereador

    Um requerimento que pedia informações da Casa Militar sobre os servidores e veículo envolvidos no caso Flávio Rodrigues foi derrubado

    Os parlamentares pediram cautela sobre eventual interferência política no episódio sobre a negação do requerimento
    Os parlamentares pediram cautela sobre eventual interferência política no episódio sobre a negação do requerimento | Foto: Divulgação

    Manaus - Por maioria dos votos, a Câmara Municipal de Manaus (CMM) derrubou, na manhã desta segunda-feira (7), a solicitação de requerimento do vereador Chico Preto (PMN) que pedia informações da Casa Militar, da Prefeitura de Manaus, sobre os servidores e veículo envolvidos no caso Flávio Rodrigues.

    Cautela

    Na ocasião, os parlamentares pediram cautela sobre eventual interferência política no episódio. “Deixe a justiça fazer o papel e apontar os envolvidos. Gostaria que meus pares e a população entendessem que essa Casa não tem poder de polícia, mas sim de fiscalizador”, alertou o líder do governo na Câmara, vereador Marcel Alexandre (PHS).

    “Não vejo outro caminho senão o da prudência. O requerimento solicita informações dos servidores e do veículo, mas como? Na justificativa verbal, isso se conduz para um fato policial. Se for para isso, peço que os vereadores se acautelem e vamos passo a passo”, completou o vereador Marcel ao votar contra o requerimento.

    Citado pelos próprios colegas como um dos parlamentares que teve a fala mais prudente e cautelosa, o vereador professor Gedeão Amorim (líder do MDB) disse que se fosse aprovado o pedido não contribuiria nas investigações e discussões ainda em andamento. “Qualquer coisa que fizermos aqui, estaremos trazendo problemas para essa Casa e para o caso. Portanto, de bom senso, penso que devemos nos acautelar”, afirmou de sua bancada.

    Já o vereador Cel. Gilvandro Mota (PTC) lembrou que, no artigo segundo do regimento interno da Casa Militar do município, está claro que o órgão é responsável pela segurança pessoal do prefeito e de sua família. “Existe uma legislação da própria Casa Militar que garante a proteção da pessoa do prefeito e de sua família. Deixem que as investigações apurem os fatos. Temos que ter cuidado, enquanto vereadores. Antes desse juízo de valor, deixemos a investigação seguir”, declarou.

    "A própria polícia já destacou que não há envolvimento do prefeito"

    Outros vereadores concordaram com a derrubada do requerimento e destacaram seus votos em pronunciamento.

    “Quem tem que solicitar essas informações é a polícia”, afirmou o vereador Raulzinho (DEM). “Peço parcimônia. Que possamos aguardar as investigações. A própria polícia já disse que não há envolvimento do prefeito”, reforçou o vereador Dante (PSDB). “É muito cedo, o caso é muito recente e nos anteciparíamos ao aprovar isso”, completou o líder do PSD, o vereador Gilmar Nascimento.