Fonte: OpenWeather

    Aliança pelo Brasil


    Parlamentares bolsonaristas mobilizam para criar novo partido

    Além do presidente da Aleam, outros políticos como Chico Preto (DC), Alberto Neto (PRB) e Péricles (sem partidos) estão focados em recolher assinaturas para nova legenda

    Manaus –A saga nacional para conquistar 500 mil assinaturas, para a criação do partido ‘Aliança pelo Brasil’ (APB), a ser comandado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mobiliza parlamentares do Amazonas. 

    A lista de apoio conta com a presença do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), o deputado estadual Josué Neto; o deputado federal Alberto Neto (Republicanos), vereador Chico Preto (DC) e do deputado estadual Péricles (sem partido). 

    Quem saiu na frente, foi Josué Neto, que se reuniu ontem, como o movimento ‘1º encontro de apoiadores do APB’, que traçou a meta de alcançar 50 mil assinaturas para a criação da legenda. Josué deve centralizar suas apostas mobilizando ativistas pró-Bolsonaro em Manaus.

    Grupos ligados à causa conservadora como Advogados Pró Bolsonaro Brasil (APBB) e Direita Jurídica Conservadora Nacional (DJCN), assim como militares da reserva como ‘Veteranos do Exército’ e ‘Grupo Caçador Atirador Colecionaro (CAC) devem aderir à campanha de maneira natural.

    Conforme, Paulo Maffioletti, advogado integrante do movimento APBB, a intenção é formalizar apoio durante a convenção. “Esperamos coletar as 50 mil assinaturas, de vários advogados e de outros apoiadores do presidente em Manaus. Este quantitativo deve equivaler a 10% do número necessário para criação do partido. Se o Amazonas contribuir com esse resultado de forma legítima, já dá um grande passo na criação do partido”, destaca o ativista.

    O presidente da Alem já declarou publicamente sua insatisfação com PSD, que resultou na desistência da candidatura para prefeitura de Manaus. Além da falta de apoio da atual legenda, o parlamentar já destacou o desejo de ascender politicamente no Amazonas. 

    A nova sigla só será lançada se conquistar o quantitativo necessário, até o dia 25 de janeiro. 

    Bancada Bolsonarista

    Outros parlamentares devem apoiar apenas simbolicamente o evento em solidariedade à Bolsonaro por questões de filiação partidária. O vereador Chico Preto declarou que acredita ser positiva a movimentação para a formação do partido. “Sou filiado ao Democracia Cristã e dentro do que é possível estou colaborando, mas respeitando a fidelidade partidária”, declarou.

    Alberto Neto (Republicanos) já declarou apoio à causa, independentemente de estar em outro partido. ”Como apoiador do Presidente vou ajudar na coleta das assinaturas, inclusive policiais militares já me procuraram a favor disso. Eles pretendem fazer um grande movimento junto com as associações, para ajudar nessa coleta e tornar o partido uma realidade”, comentou Alberto.

    Corrida contra o tempo

    Para disputar as eleições municipais deste ano, o APB precisa entregar à Justiça Eleitoral o mínimo 500 mil assinaturas válidas até o mês de abril. Por esta razão, a sigla tem se mobilizado nacionalmente para coletar as rubricas de simpatizantes.

    Os advogados de Bolsonaro planejam acumular cerca de 1,5 milhão de assinaturas. A medida visa garantir uma margem segura, pois partes das rubricas acabam sendo invalidadas durante a checagem realizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Uma das estratégias adotadas pela equipe do APB, após o fracasso das assinaturas digitais é pedir via redes sociais, que apoiadores preencham e imprimam uma ficha de apoio. Com assinatura reconhecida em cartório de notas, a ficha deve ser enviada por meio dos correios endereçada à sede do partido, situado na cidade de São Paulo. Esse procedimento é autorizado pelo TSE e não representa filiação partidária. No entanto, é válida para apenas criar e registrar o partido.

    O APB informou já possuir cerca de 100 mil assinaturas, mas Bolsonaro enfatizou anteriormente que as chances de o partido concorrer nas eleições deste ano, são consideravelmente baixas. "Meu partido dificilmente vai ter condições de concorrer agora. A chance é 1%. Não tenho obsessão por formar o partido", disse o presidente.

      A reportagem tentou contato com o deputado Josué Neto, mas até o fechamento da edição não obteve retorno.