Fonte: OpenWeather

    Fora do game


    Mestres em pesquisa descartam Amazonino da disputa eleitoral

    Entre as justificativas estão idade avançada, problemas de saúde e alta rejeição popular

    No ano eleitoral, Amazonino deve completar 81 anos e segundo os especialistas em pesquisas eleitorais, deve ficar de fora da disputa pela idade avançada. | Foto: Divulgação

    Manaus – Principais especialistas em pesquisa eleitoral, como Eric Barbosa da Pontual, Afrânio Soares da Action e Durango Duarte do IMarketing, concordam que o ex-Governador Amazonino Mendes (sem partido) pode estar fora do game eleitoral .

    Entre as justificativas estão idade avançada, problemas de saúde e rejeição popular. Eles ainda apontam poucas surpresas e até mesmo um ‘racha’ de votos no eleitorado, causado pelo grande número de possíveis pré-candidatos.

    A prospecção impediria, por exemplo, um embate entre o ex-governador interino David Almeida (Avante), que aparece entre as principais pesquisas eleitorais.

    Isso acontece porque, o ex-pedetista apresenta um histórico de saúde fragilizada e idade avançada. Em 2012, Amazonino, na época com 73 anos, foi submetido a cirurgia cardíaca, para desobstrução das artérias coronárias, procedimento realizado no Hospital Sírio Libanês (HSL). Amazonino também é portador de diabetes e ano de 2017, foi novamente submetido a outro procedimento cirúrgico, desta vez para retirada de um abscesso cutâneo em uma das pernas. Mais recentemente, a imprensa especulou que em maio de 2019, Mendes teria sido internado no HSL, por problemas renais, afirmação negada por seus assessores.

    No ano eleitoral, Amazonino deve completar 81 anos e segundo os especialistas em pesquisas eleitorais, deve ficar de fora da disputa pela idade avançada. “O Amazonino possivelmente não virá a disputar a prefeitura, por conta de sua saúde e idade. Esse será um dos pleitos mais acirrados e a campanha intensa nas ruas pode ser um impeditivo para ele”, conta Durango Duarte, CEO do Instituto iMarketing.

    Por outro lado, Eric sinaliza o bom desempenho de David em pesquisas de intenção de voto. “Em um cenário sem Amazonino, o ex-governador interino David Almeida ganha a liderança da disputa, com desafio de abrir vantagem sobre o José Ricardo (PT). E mesmo que o Amazonino venha para disputar a prefeitura, algo que pode ser dificultado pela sua idade avançada, deve enfrentar a maior rejeição entre os primeiros colocados nas pesquisas”, explica Eric Barbosa, criador e editor chefe do Instituto de Pesquisa Pontual.

    Numa perspectiva mais positiva, Afrânio Soares proprietário da Action Pesquisas, afirma que Amazonino deve concorrer à eleição, apesar da idade. “As eleições não serão decididas em primeiro turno, podemos tomar isso como certeza e o Amazonino, deve contribuir para esse movimento. No segundo turno, poderemos decidir possivelmente entre David e ele”, comenta Soares.

    "David se mantém com bom desempenho nas intenções de votos, isso deve se confirmar nas próximas pesquisas. Em um cenário sem Amazonino, Almeida ganha a liderança da disputa, com desafio de abrir vantagem sobre o José". Afirma Eric Barbosa, criador e editor chefe do Instituto de Pesquisa Pontual.
    "David se mantém com bom desempenho nas intenções de votos, isso deve se confirmar nas próximas pesquisas. Em um cenário sem Amazonino, Almeida ganha a liderança da disputa, com desafio de abrir vantagem sobre o José". Afirma Eric Barbosa, criador e editor chefe do Instituto de Pesquisa Pontual. | Foto: Divulgação

    Nomes mais lembrados

    Em novembro de 2019, dados da última pesquisa espontânea, realizada pelo Instituto iMarketing apontaram 21 nomes de políticos lembrados pelo eleitorado manauara. Nesse levantamento, nomes como David Almeida, Amazonino Mendes e José Ricardo, já ocupavam a primeira, segunda e a terceira colocação, respectivamente.  Questionado sobre a preferência do eleitorado pelos nomes de David, Amazonino e José, o profissional do Instituto iMarketing pondera os discursos, e aponta as forças e fraquezas de cada candidato.

    “Os três possuem histórias muito constantes nas lembranças de eleitores. David já foi deputado e presidente na ALEAM, passando ainda pelo cargo de governador sem ter sua imagem desgastada. Já Amazonino tem um legado a seu favor e deve explorar a ‘falta de experiência’, de outros políticos novos em seus discursos, ele deve lutar contra sua saúde e alta rejeição. No caso de José Ricardo, o eleitorado tem uma simpatia que o afasta do sentimento de antipetismo. Entretanto, seu partido também o induz a uma rejeição, o ‘Lula livre’ não o beneficia”, reforça Durango.

    "O José Ricardo é nome mais forte do PT fora do partido, mas tem que vencer a votação nas convenções partidárias da sigla e garantir o apoio de Sinésio e Sassá." Afirma o Estatistico
    "O José Ricardo é nome mais forte do PT fora do partido, mas tem que vencer a votação nas convenções partidárias da sigla e garantir o apoio de Sinésio e Sassá." Afirma o Estatistico | Foto: Geraldo Magela

    Os desafios para cada pré-candidato devem ser oriundos de suas próprias alianças, performances e discursos. Sobre José Ricardo, Afrânio Soares afirma que o petista é o nome mais forte do partido fora do diretório, devendo convencer Sinésio Campos e Sassá da Construção Civil a apoiá-lo. “O José Ricardo é nome mais forte do PT fora do partido, mas tem que vencer a votação nas convenções partidárias da sigla e garantir o apoio de Sinésio e Sassá. Sem mencionar que ele tem uma boa recuperação nas votações, onde venceu na eleição suplementar nomes considerados favoritos”, afirma Soares.

    Já Eric Barbosa, defende que os pontos desfavoráveis de cada candidato, não irão deixá-los de fora da disputa. “Não acredito em muitas surpresas, os três nomes devem se manter estáveis. Pois o Amazonas como um todo, não consegue renovar o cenário político. No momento atual, o eleitor agora busca nomes com experiência parlamentar para Manaus, devido a performance apresentada por outros governantes que não possuíam experiência anterior”.