Fonte: OpenWeather

    Com a Palavra


    'Meus projetos buscam combate à corrupção'

    Único parlamentar estadual eleito no Amazonas pela sigla e com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Delegado Péricles Rodrigues do Nascimento (PSL) foi destaque, em 2019, ao trazer à tona discussões sobre combate à corrupção por meio da defesa de Projetos de Lei de sua autoria

    Péricles foi um dos responsáveis pela implantação do modelo cívico-militar de ensino, no Amazonas | Foto: Divulgação

    EM TEMPO- Qual a avaliação que o senhor deste primeiro ano de estreia na carreira política?

    Péricles Nascimento - Sou estreante na política, mas meu desejo de mudança é antigo. Venho do serviço público, fui militar, concursado pelo Tjam(Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas) e depois, pela Polícia Civil, e vivenciei bem o difícil quadro em que o nosso Estado foi mergulhado. Acho que minha experiência pessoal e meus princípios sólidos e metas definidas foram determinantes para que eu assumisse funções, anteriormente ocupadas por parlamentares experientes, sem grandes receios. Foi um ano de aprendizado sim, mas principalmente de construção. Nosso Estado pela primeira vez é visto por um governo federal e eu tenho ciência do meu papel para que isso caminhe cada vez mais rumo à conquistas essenciais para o progresso do Amazonas. Cheguei determinado a assumir o papel pelo qual fui eleito: de pessoa na nova política que não admite corrupção, má gestão. Prezei por isso no primeiro ano e seguirei assim, seja por meio de articulação federal ou atuação legislativa na Aleam.


    EM TEMPO- Como está sua relação com o governo do Estado? É perceptível que alguns projetos encaminhados pelo Estado tiveram seu apoio, enquanto outras decisões foram duramente criticadas.

     PN - Desde que assumi meu mandato deixei claro que jamais faria oposição por oposição. Que seria sim um grande apoiador de iniciativas do governo estadual se elas estivessem de acordo com as minhas perspectivas do que realmente deve ser feito para a melhoria do Estado e bem-estar da população. Sou uma pessoa de princípios e pontos de vista bem sólidos e daí minha maneira de agir dentro das minhas convicções. O governo do Estado sabe que sou parlamentar que acrescenta, que atua em parceria se for para trazer resultados efetivos para a população. Um exemplo disso, foi a mediação junto ao governo federal em favor de importantes investimentos para  a segurança pública e para a saúde do nosso Estado - temos um Centro de Inteligência e logo receberemos sistema de procedimento policial eletrônico, além de em 2020 termos duas escolas recebendo investimentos e implantação de modelo cívico-militar de ensino. São só alguns exemplos. Votei favorável ao remanejamento de verbas para investimento prioritário em saúde, e trabalho para que os aprovados sejam convocados para o projeto de uma unidade militar hospitalar. Também votei contra o congelamento de salários dos servidores públicos e, ainda, me posicionei contra o aumento abusivo de salários do alto escalão. Sou um parlamentar e esse é o meu papel: intervir quando necessário e apoiar quando preciso.

    EM TEMPO- De que forma o senhor trabalhou contra a corrupção, no último ano?

    PN - Meus projetos de lei foram trabalhados tendo o combate à corrupção como norte. Alguns consegui aprovação, outros não. Mas considero 2019 um ano de consideráveis vitórias se considerarmos que a casa aprovou meu PL que obriga, por exemplo, Organizações Sociais de Saúde (OSS) a publicarem na internet o detalhamento de todos os gastos feitos com dinheiro recebido de contratos como governo. É qualquer cidadão tendo acesso ao que está sendo feito com o dinheiro dele. Outro exemplo que posso citar é também a obrigatoriedade de publicação de todos os nomes de beneficiados com títulos de terra e habitacionais pelo governo do estado. É evitar que uma minoria seja beneficiada em detrimento de uma maioria que realmente precisa do benefício.

    EM TEMPO – O que motivou a seguir o presidente Bolsonaro, quando ele decidiu se desfiliar do PSL?

    PN - Fui convidado para entrar na política pelo Eduardo (Bolsonaro), durante um evento de armas, nos Estados Unidos. Depois estive com o presidente e decidi que enfrentaria o desafio de entrar na política e seria candidato desde que fosse em sigla que ele estivesse à frente. Isso porque me identifiquei com os ideais defendidos por ele e, ainda, por acreditar que o nosso país precisa urgentemente de alguém que vá contra a velha política e combata de forma direta a corrupção. A manutenção de ideais e perspectivas para o nosso país, tendo como comandante Bolsonaro, não poderia ser abandonada ou esquecida agora, já que sou parlamentar e que ele decide que é hora de renovar. Sigo sim com ele, assim que a possibilidade de janela partidária for aberta.

      

    EM TEMPO-  Como delegado de polícia, o senhor acredita que a atual gestão avançou neste sentido ou ainda precisamos mudar? O que o senhor pode dizer que colaborou para isso?

     PN - Nosso Estado colhe hoje a negligência de várias gestões. A segurança pública não fica fora desta realidade. E por esse motivo que minha opinião sempre foi clara: é preciso ser assertivo nas decisões, considerando a modernização e necessidade de integração ao restante do país e, principalmente, a urgência da população em ver e sentir segurança no dia a dia. Fui à Brasília inúmeras vezes para, junto ao governo federal, reforçar a vinda de investimentos neste segmento do nosso Estado. Conquistamos o Centro de Inteligência e, breve, ganharemos novo investimento, desta vez na implantação de sistema que permitirá às delegacias dar um salto no que diz respeito à integração de dados policiais. Outros projetos importantes estão nos meus planos para este ano e devem ganhar forma em breve. A boa vontade tanto do governo federal quanto do estadual no que diz respeito ao trabalho em parceria tem sido grande atenuante no meu papel como mediador.

    EM TEMPO – Qual seu posicionamento sobre a polêmica guerra sobre os incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus? 

    PN - Sou defensor dos interesses da minha região, no meu Estado, foi pela minha gente que fui eleito. A Zona Franca é modelo que sempre terá minha defesa, devido não só sua importância econômica, mas principalmente social: milhares de famílias dependem dos seus empregos nela para viver. Neste momento, como parlamentar que tem o presidente Bolsonaro como liderança, posso assegurar que, assim como os parlamentares do meu Estado, atuarei para que a decisão seja repensada pelo presidente. Ele demonstrou em outros momentos rever decisões. Eu creio em sua sensibilidade no que diz respeito a não acabar com nosso polo e prejudicar nossa gente. Eu não medirei esforços para estar em Brasília, se preciso, para lutar junto à nossa bancada federal e manter nossos incentivos.

    EM TEMPO- O que os amazonenses podem esperar do projeto do presidente Jair Bolsonaro, para a BR-319?

     PN - credito que ela viverá sim nova fase em 2020 e tenho atuado para ser força que colabore diretamente para isso. Ano passado, inclusive, estive com o ministro da infraestrutura, Tarcísio Filho, durante evento de 300 dias do governo Bolsonaro, e recebi, em primeira mão a certeza de que nossa rodovia estava no organograma federal deste ano. Dias depois o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) abriu processo licitatório para escolha de empresa que será responsável pelos projetos básico e executivo. Prova clara de que não era só mais um anúncio. Depois o próprio presidente confirmou que a BR está nos planos e que a questão ambiental também tem sido trabalhada. Acredito sim que logo teremos um grande canteiro de obras. A nossa BR vai ganhar nova cara.