Impeachment


Donald Trump é absolvido no processo de impeachment no Senado

O resultado já era esperado, já que os republicanos têm maioria na Casa

O presidente norte-americano Donald Trump foi absolvido no processo de impeachment, com 52 votos contra | Foto: Joshua Roberts/Reuters

Manaus - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi absolvido nesta quarta-feira (05) no processo de impeachment contra ele no Senado americano.

O Senado o absolveu da acusação de abuso de poder, por 48 votos a favor de sua condenação e 52 contra. Já na votação por obstrução do Congresso, o presidente foi absolvido por 47 votos a favor e 53 contra.

Para que ele fosse definitivamente afastado do cargo, era necessário que pelo menos 20 senadores do Partido Republicano votassem contra ele, já que são necessários dois terços dos 100 senadores.

O resultado já era esperado, já que os republicados têm maioria no Senado e já haviam deixado claro que inocentariam o presidente. O único senador a votar contra Trump foi Mitt Romney, se tornando o primeiro a votar contra o próprio presidente na história dos EUA.

Acusação

Trump era acusado de violar as prerrogativas de seu cargo por pressionar o presidente da Ucrânia, Volodynyr Zelynskiy, a investigar negócios de Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente Joe Biden, no país. Ele chegou a suspender o pagamento de uma ajuda militar de US$ 400 bilhões (cerca de R$ 1,7 bilhão), como forma de pressão.

O magnata americano se tornou o terceiro presidente americano a ser absolvido pelo Senado, após os processos de Andrew Johnson, em 1868, e Bill Clinton, em 1999. Richard Nixon renunciou ao cargo antes mesmo que o seu caso chegasse ao Senado, em 1974.

Desdobramentos

Mais cedo nesta quarta, o presidente democrata do Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados, Jerry Nadler, afirmou que a Câmara “provavelmente” convocará o ex-assessor de Segurança Nacional da Casa Branca John Bolton para depor sobre possíveis irregularidades cometidas por Trump, mesmo após o término do processo de impeachment contra o presidente.

Bolton mostrou disposição para depor ao Congresso americano caso fosse convocado pelo Senado durante a última fase do julgamento de Trump. Os senadores, contudo, decidiram não intimar novas testemunhas.

*Com informações da Veja e do R7