Fonte: OpenWeather

    Perda


    Ex-secretário geral da presidência morre vitima de infarto aos 54 anos

    De acordo com amigos, o parlamentar teria passado mal por volta das 4h da madrugada deste sábado quando foi levado até o hospital, mas não resistiu

    Bebianno ocupou a Secretaria-geral da Presidência durante um mês e 18 dias
    Bebianno ocupou a Secretaria-geral da Presidência durante um mês e 18 dias | Foto: Reprodução

    Brasil – O ex-secretário geral da presidência e pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro, Gustavo Bebianno, morreu neste sábado (14), em Teresópolis, Região Serrana do Rio, após um infarto fulminante.

    Bebianno, 56, estava em um sitio com a família quando passou mal e ao ir até o banheiro tomar um remédio, desmaiou.  Ele precisou ser levado às pressas ao hospital da cidade, onde morreu.  Segundo o presidente estadual do PSDB, Paulo Marinho, amigo de Bebianno, ele teria passado mal as 4h da madrugada de hoje, o parlamentar lamentou a morte do amigo e companheiro de profissão.

    Além de líder do PSL, Bebianno ocupou a Secretária-geral da Presidência durante um mês e 18 dias. Onde foi a causa da primeira crise política do governo Bolsonaro, gerada pela suspeita de que o PSL fez uso de candidatura "laranja" nas eleições de 2018 para desviar verbas públicas. Ele sempre negou irregularidades.

    Para Marinho, Bebianno morreu de tristeza por tudo que passou nos últimos meses. De aliado a desafeto de Jair Bolsonaro.

    Nas redes sociais, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) disse que o Brasil perdeu com a morte do parlamentar que está sempre em busca de um pais melhor. No último dia 5, o governador, anunciou a pré-candidatura de Gustavo Bebianno à Prefeitura do Rio de Janeiro. Segundo o partido, o lançamento oficial da candidatura seria em 4 de abril, na capital fluminense.

    Carreira

    Formado em direito, Gustavo Bebianno Rocha nasceu no Rio de Janeiro em 18 de janeiro de 1964. Em 2017, ele foi apresentado ao então deputado federal Jair Bolsonaro, oferecendo-se para defendê-lo gratuitamente em diversas causas. Em pouco tempo, os dois estabeleceram uma relação de confiança. Bebianno se filiou ao PSL, na época partido de Bolsonaro entre janeiro de 2018 e novembro de 2019. Mas deixou a sigla poucos meses depois, em outubro, após o segundo turno da eleição presidencial. Neste período, chegou a presidir o partido.

    Atualmente Bebianno se filiou ao PSDB a convite de João Doria, que tem planos de concorrer às eleições presidenciais e que, apesar de ter apoiado o presidente Jair Bolsonaro, agora é crítico do presidente.

    Ainda não há informações de onde o corpo do parlamentar Bebianno será velado e nem que horas será feito o enterro.