Fonte: OpenWeather

    Eleições 2020


    Ex-secretários vão disputar cargos eletivos em outubro

    Gestores municipais e estaduais abriram mão de seus cargos para disputar a eleição deste ano

    | Foto: divulgação

    Manaus – As exonerações de secretários ligados ao poder público municipal e estadual, concretizam o cenário das pré-candidaturas às eleições de outubro. Após o cumprimento do período de descompatibilização no último fim de semana, servidores públicos que possuíam intenção de disputar cargos eletivos, deveriam ser afastados da lotação dos cargos, em até seis meses antes do pleito, conforme determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Socorro Sampaio (PSDB), lotada anteriormente na Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), pediu a exoneração para disputar uma das 41 cadeiras da Câmara Municipal de Manaus (CMM). “Um ato absolutamente normal (exoneração), já que concorrerei a uma vaga na CMM. Já fui vereadora por dois mandatos anteriormente, então esse processo é conhecido”, comentou.

    Os efeitos de isolamento social, causado pela pandemia de Covid-19 no País, vem afetando as agendas eleitorais de vários partidos. Diversas convenções partidárias foram suspensas para evitar aglomerações e possibilidades de campanhas virtuais. O cenário vem preocupando a classe política, habituada com a campanhas nas ruas, em meio à multidão.

    Sobre os impactos da pandemia de Covid-19, a pré-candidata afirma que a campanha em si, já foi afetada. “Essa campanha, com certeza, será diferente das anteriores. Mas, por enquanto, nossa expectativa é no sentido de que, até lá (agosto), essa fase de prevenção e cuidados, tenha reduzido os efeitos sobre a vida das pessoas. Quem me conhece, sabe que gosto de conversar ‘olho no olho’ e de abraçar e beijar as pessoas, seria muito estranho para fazer uma campanha distante das pessoas”, completa.

    Ex-titular do Procon Manaus, Rodrigo Guedes (PSC), também se lança como pré-candidato à vereador, após a exoneração. Ele comenta o legado deixado do órgão e suas expectativas para a eleição. “Acredito que honrei meu posto anterior e trouxe o Procon para perto da população. Minha expectativa agora, é continuar lutando contra o ‘cartel dos combustíveis’, usando o mandato eletivo como um instrumento de justiça social e qualidade de vida. Fazer leis úteis e fiscalizar o futuro prefeito, mantendo um debate de alto nível, mas nunca ser subserviente”, explica.

    Estaduais

    André Caio (PSC) ex-diretor-presidente, da Fundação Amazonas de Alto Rendimento (Faar), solicitou exoneração do posto, ele também deve se concorrer à uma vaga na CMM.  A recém filiada ao PSC, delegada Débora Mafra, anteriormente responsável pela Delegacia Especializada em Crimes contra Mulher (DECM), também vai estrear a carreira política, durante a eleição municipal de outubro, o cargo a qual disputará ainda não foi confirmado.

    Assim como Sampaio e Guedes, Sildomar Abtibol (Podemos) ex-Semasc, José de Arimatea (Republicanos), ex-subsecretário municipal de Habitação devem pleitear uma vaga na Câmara dos vereadores.  Já João Carlos Mello (Republicanos); ex-secretario de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), foi procurado pela reportagem, e por meio de nota informou que não irá se pronunciar, alegando não saber se haverá eleições este ano, devido à crise do Coronavírus.

     Adiamento

    Em março, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, afirmou ser cedo demais para se cogitar um adiamento das eleições. "Um debate precoce", disse a Magistrada. O adiamento é cogitado por diversos setores, para que não se torne um empecilho no enfrentamento da epidemia. A Constituição Federal (CF), determina que as eleições municipais devam ser realizadas no primeiro domingo de outubro, a cada quatro anos. Para o adiamento ocorrer, seria necessária uma alteração da Constituição. O Congresso seria responsável por deliberar o assunto.