Fonte: OpenWeather

    Transparência


    Deputados recebem esclarecimentos das ações de saúde da SUSAM

    Parlamentares estaduais estiveram em audiência virtual com secretária da SUSAM para saber das medidas do combate ao covid-19

    | Foto: divulgação

    Manaus - Os deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) participaram nesta quarta-feira (22), da audiência virtual com a secretária de Estado de Saúde (SUSAM), Simone Papaiz e o secretário adjunto da Secretaria Executiva Adjunta de Atenção Especializada da Capital (SEA), Ítalo Valle Cortez, para questionar a pasta quanto as medidas e ações de urgência que o Governo do Amazonas pretende efetuar no combate do coronavírus.

    Durante a discussão o deputado estadual, Serafim Corrêa (PSB), pediu esclarecimentos à secretária da SUSAM, sobre o cronograma de pagamento das cooperativas médicas em atraso, andamento do convênio com hospitais para tratamento de pacientes com Covid-19 e o direcionamento de sua gestão.

    “Ano passado esses profissionais foram maltratados. O Dr. Jorge Akel, presidente da Associação Médica do Amazonas, em uma audiência, disse que mais de 500 profissionais saíram do Estado por falta de pagamento”, lamentou Serafim.

    Em resposta ao parlamentar estadual, a secretária Simone, falou da estratégia que tem o foco de aumentar leitos. “Entendemos toda a classe que opera em linha de frente como médicos e enfermeiros. Nos comprometemos a pagar esse montante a todas as cooperativas até 90 dias, após o vencimento”, garantiu Papaiz.

    Já a deputada progressista, Mayara Pinheiro, sugeriu ampliação de atendimento do Hospital Nilton Lins portas abertas, ou seja, de emergência e urgência, desafogando assim os SPA´s. “Precisamos reforçar o número de leitos clínicos e de UTIs no Nilton Lins, mas também pensar no aproveitamento do local como um todo. Até porque existem outras demandas e precisamos pensar nos atendimentos diários, dessa forma desafogando os pronto-socorros. Vivemos uma pandemia de covid-19, mas os problemas da saúde são mais amplos e não devemos esquecer disso”, disse Mayara.

    Ainda em debate a parlamentar, que é presidente da Comissão de Saúde e Previdência da Aleam, aproveitou a oportunidade para questionar a titular da Susam, sobre a quantidade de leitos abertos no combate ao coronavírus nos hospitais e também sobre a otimização de alguns andares do Delphina Aziz.

    A resposta da secretária da pasta de saúde, esclareceu que ainda irá se reunir com a direção do Beneficente Portuguesa para alinhar as questões técnicas para recebimento dos pacientes da Covid -19. “Com referência ao número de leitos, a HUGV já está conosco trabalhando e fomos informados que o número de UTIs será aumentado para 31. Enviamos, em torno de 21h, uma lista de medicamentos, EPIs e foi liberado ontem mesmo. Foram liberados dois leitos de UTI e nove leitos de internação. Isso já está acontecendo”, informou Simone.

    O deputado estadual, Álvaro Campelo (Progressistas), avaliou a audiência de forma positiva o comparecimento da secretária de saúde do Amazonas, dando transparência não apenas para Aleam, mas a sociedade. “Foram seis horas de reunião em que todos os deputados tiveram a oportunidade de fazer suas perguntas, tirando e esclarecendo dúvidas. É muito importante que o Governo do Estado do Amazonas ouça todos, independentemente de ser oposição ou situação. Espero que as críticas, contribuições e sugestões possam ser acatadas e o Estado enfrente o coronavírus, pois esse é um trabalho conjunto", disse Campelo.


    SUSAM

    Simone Papaiz assumiu a pasta da Saúde no Amazonas, no último dia 8 de abril, após a saída do então titular Rodrigo Tobias. “Desde o início, a ideia é ter diálogo com o governo federal, Ministério da Saúde e com os parlamentares. Esse tratamento não é só com o Amazonas, ele [presidente] tem feito reuniões com todos os secretários de Saúde do país. Em modos gerais, há muita dificuldade”, disse a secretária.

     A secretária da SUSAM, ainda disse que o desequilíbrio do mercado devido à falta de insumos, favorece a dificuldade para a aquisição de equipamentos e EPIs.

    “O cenário é preocupante. Mercado desequilibrado e dificuldade de produtos essenciais como respiradores, insumos, EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e já está faltando insumos para produzir esses insumos. Está faltando médicos intensivistas, Sírio Libanês está nos ajudando. De hoje para amanhã teremos três toneladas de EPIs pelo Itaú. O enfrentamento está sendo muito pesado”, concluiu Simone.