Fonte: OpenWeather

    Aleam


    Aleam aceita pedido de impeachment de governador Wilson Lima

    O governador afirma que respeita o debate político na Aleam, mas o momento requer atenção do combate ao covid-19

    Wilson Lima, critica Josué Neto, diz que o político “contribui em nada“ na luta desta pandemia | Foto: Alberto Araujo - Aleam

    Manaus – Após quatro pedidos de impeachment acumulados na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam),  contra o governador do Amazonas Wilson Lima (PSC) o presidente da Casa, deputado Josué Neto (PRTB) autorizou na tarde de ontem (30), durante sessão online, a abertura do processo de afastamento. O processo também inclui o vice-governador, Carlos Almeida Filho (PTB).  


    Durante o discurso de admissibilidade do pedido protocolado no dia 22 de abril, pelo Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Neto alegou que engavetar a proposta, seria antidemocrático e que não deveria silenciar sobre o caso, diante do apelo popular. ”Irei dar prosseguimento ao pedido de afastamento do governador e do vice, porque esta é a única forma imparcial que um presidente de uma Assembleia tem para agir. Esta Casa, de maneira soberana, com seus diversos integrantes e diversas forças políticas, em conjunto com a sociedade mobilizada, devem decidir. O contrário disso, seria engavetar solitariamente este pedido. E isso é algo suspeito, inaceitável, antidemocrático e parcial. Eu não posso tomar uma decisão parcial nesse caso”, defendeu. 


    Desta vez, a decisão de aprovação ou rejeição do processo não foi compartilhada por todos os deputados. Anteriormente a Casa havia rejeitado em conjunto, o pedido de impeachment protocolado em fevereiro, pelo também deputado da Aleam, Wilker Barreto (Podemos). 


    A deputada Alessandra Campelo (MDB), pôs em cheque a decisão do presidente da Aleam, que sozinho, decidiu sobre a admissibilidade do afastamento. “Senhor presidente eu faço parte da mesma Comissão Diretora, que recusou o pedido anterior de impeachment. Lembro do seu posicionamento à época, explicando que não assinaria o pedido sozinho, porque a Presidência e a Mesa eram uma só. O que mudou do início do ano para cá, para a Mesa Diretora ser chamada agora por vossas excelências? O senhor afirma ter errado naquela decisão ou agora?", questionou Alessandra.


    Decisão solitária


    O governador Wilson Lima em sua defesa, afirmou que o momento é inoportuno e que o pedido de impeachment não possui fundamento, além de estar contaminado por questões eleitorais. “Se trata de uma decisão solitária do presidente da Assembleia, que não contribui em nada para vencermos essa guerra de todos os amazonenses contra a pandemia”, disse.


    Wilson Lima ressaltou que respeita o debate político na Aleam, mas reitera que este não é o momento para discussão de uma pauta que está distante dos reais problemas do Amazonas e da população que mais precisa da ação do Estado em todas as suas esferas.

    “O inimigo é um só. Nunca foi tão importante unir forças.  É isso que a sociedade nos cobra. Enquanto pessoas morrem e o mundo se comove com a pandemia no Amazonas, o presidente da Assembleia não pode apresentar esse tipo de proposta para debatermos”, destacou o governador, que aproveitou para convidar o presidente da ALE-AM, Josué Neto, a participar do Comitê de Crise do Covid-19. “Todos os presidentes de todas as instituições desse Estado estão discutindo conosco soluções para a crise e o presidente da Assembleia será muito bem-vindo à mesa”, frisou.