Fonte: OpenWeather

    Bolsonaro impaciente


    Irritado com apoiadores, Bolsonaro ameaça acabar com 'cercadinho'

    Nesta segunda-feira (15), Bolsonaro chegou a ameaçar acabar com a aglomeração de apoiadores que se forma para realizar pedidos pessoais.

    O clima tem ficado tenso e o presidente não tem disfarçado a irritação diante de pedidos pessoais
    O clima tem ficado tenso e o presidente não tem disfarçado a irritação diante de pedidos pessoais | Foto: Agência Brasil

    O presidente Jair Bolsonaro tem demonstrado impaciência com os apoiadores que vão até o "cercadinho" na frente do Palácio da Alvorada para fazer pedidos. Nesta segunda-feira (15),  Bolsonaro chegou a ameaçar acabar com a aglomeração de apoiadores que se forma para realizar pedidos pessoais. As informações são do Jornal Metrópoles.

    “Olha, eu vou acabar não parando mais aqui. Me desculpem”, disse o presidente a um apoiador que demandava por ações do Ministério da Saúde.

    “Eu não posso ser um agenciador de agenda. Eu não sou funcionário para achar agenda para todo mundo”, repetiu Bolsonaro diante das pessoas que buscavam soluções para problemas em suas cidades.

    Há duas semanas, a imprensa abandonou a cobertura nos portões do Alvorada após os profissionais sofrerem ataques de apoiadores. Desde então o presidente passou a convidar as pessoas para o encontro matinal na parte de dentro do jardim da residência oficial.

    Longe dos microfones de jornalistas, o clima tem ficado tenso e o presidente não tem disfarçado a irritação diante de pedidos pessoais e, com frequência, apressa as pessoas para que sejam breves em seus comentários.

    “O mais rápido possível, tenho uma agenda cheia”, disse o presidente a uma apoiadora que pedia sua atenção para obras do governo federal em Riacho Fundo, região administrativa de Brasília.

    Leia também: 

    “Minha senhora, se eu for tratar assunto individualmente do Brasil todo eu vou ser prefeito e não presidente da República”, retrucou o presidente enquanto ela falava.

    “Tem que tratar com ele (Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional). Olha, são milhares de projetos do Marinho. Se eu chegar aqui e pedir um projeto, eu vou ter três quatro agendas de pedidos para o Marinho e não está certo agir dessa maneira. Por favor, a senhora o procure”, disse o presidente diante da concordância da mulher. “Eu entendo, eu entendo”, repetia ela, enquanto Bolsonaro se esquivava para ouvir outra pessoa.

    Irritação

    O presidente ainda se irritou com uma apoiadora de Roraima que disse que o estado estava precisando de ajuda do governo federal. “Já ajudamos com dinheiro, mandamos recursos para todos os estados e para Roraima foi também. Agora, não sei o porquê, estão transferindo o pessoal doente de Boa Vista para Manaus”, retrucou.

    Outra apoiadora reclamou que veio de São Paulo para ver o presidente e no domingo foi “impedida de tudo”. “Até a igreja estava fechada”, disse a mulher, que passou a repetir ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF). “É um absurdo a gente como brasileira ter que passar por isso. Essa pouca vergonha do STF. É inconstitucional proibir a gente de hastear um bandeira”, disse.

    “Foram 30 anos de destruição deste país. Alguém quer que eu resolva em um ano?”, respondeu o presidente.

    Outro apoiador pediu uma agenda para entregar um estudo sobre uma reserva extrativista. “Pode entregar para qualquer um aqui, chefe. Tem que passar em revista o material, porque eu não sei, tem um pó, tem alguma coisa lá dentro. Então eu não posso receber nada de ninguém”, disse o presidente, referindo-se a risco de envenenamento.

    Leia mais

    Ativista bolsonarista Sara Winter é presa pela Polícia Federal