Fonte: OpenWeather

    COMBATE À PANDEMIA


    A deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB) apresentou, em sessão vir

    Proposta de autoria da deputada Alessandra Campelo beneficia profissionais da saúde, policiais, bombeiros entre outros

    Objetivo é reconhecer os profissionais que estavam expostos a contaminação | Foto: Divulgação

    Manaus - A deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB) apresentou, em sessão virtual da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) desta quinta-feira (18), um Projeto de Lei (PL) que concede aos servidores que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 no Amazonas um adicional de insalubridade de 20% sobre o salário-base.

    O objetivo do projeto é valorizar e reconhecer os profissionais da Saúde, Fundação de Vigilância Sanitária (FVS) e Segurança Pública – policiais civis e militares, Corpo de Bombeiros Militar, trabalhadores do sistema penitenciário – que desempenham atividades consideradas essenciais e que mantiveram o serviço diário, mesmo expostos ao risco de contaminação durante a pandemia do novo coronavírus.

    “Dessa forma, queremos recompensar e agradecer aos servidores que tem arriscado suas vidas todos os dias desde o início dessa crise e não pararam em nenhum momento. Essa gama de profissionais arrisca não só suas vidas, como as de suas famílias, ao voltarem para casa. Essas pessoas precisam de reconhecimento”, explicou Alessandra.

    O PL assegura, ainda, que aqueles funcionários que já recebem o adicional de 20%, tem direito à percepção de adicional de insalubridade em grau máximo, equivalente a 40%.

    Gratificação

    Durante seu pronunciamento, a parlamentar sugeriu ao presidente da Casa, Josué Neto (PRTB), uma gratificação de 30% sobre o salário de servidores da Aleam que continuaram trabalhando de forma presencial durante a pandemia. Alessandra pediu, ainda, que fosse feito um estudo do impacto orçamentário caso a proposta fosse acatada pela Mesa Diretora.

    “Não é um número grande de servidores, mas foram profissionais de setores como o de informática, comunicação, apoio legislativo, diretoria geral, serviços e da Casa Militar que não deixaram a Casa parar. Queria propor, com a concordância do presidente, que o diretor geral da Aleam fizesse um estudo do impacto disso para que pudéssemos dar essa gratificação. Esses trabalhadores também se arriscaram saindo de casa todos os dias para que o Poder Legislativo continuasse atuando em prol do povo amazonense”, complementou.


    *Com informações da assessoria