Violência Sexual


Deputada repudia número crescente de crimes sexuais no AM

Alessandra é presidente da Comissão da Mulher, da Família e do Idoso da Aleam e autora de leis que visam o combate à crimes do gênero

De acordo com dados da SSP, crianças de até 11 anos são as principais vítimas de crimes sexuais
De acordo com dados da SSP, crianças de até 11 anos são as principais vítimas de crimes sexuais | Foto: Divulgação

Manaus - Após o caso divulgado nesta quarta-feira (11), que uma menina de 10 anos descobriu que está grávida após ser estuprada por um parente no munícipio de Manacapuru (a 69 quilômetros de Manaus). A deputada Alessandra Campêlo (MDB) repudiou os crescentes casos de crimes sexuais no Amazonas. 

De acordo com dados da Secretaria se Estado de Segurança Pública (SSP-AM), crianças de até 11 anos são as principais vítimas de crimes sexuais entre menores de 18 anos em Manaus.  A secretaria também informou que, de janeiro a outubro deste ano, 205 crianças na faixa etária de 0 a 11 anos foram violentadas sexualmente. 

“Quase semanalmente, vemos notícias de crianças que são violentadas dessa forma. Isso é um absurdo. Nenhuma criança merece passar por um crime tão hediondo quanto esse, que é uma das piores formas de ferir os direitos humanos”, disse Campêlo.  

A parlamentar, que é presidente da Comissão da Mulher, da Família e do Idoso da Assembleia Legislativa do Estado doAmazonas (Aleam) é autora de leis que visam o combate à esses crimes, como a Lei n. 5010/2019, que obriga hospitais públicos e privados a comunicarem às delegacias quando suas unidades de pronto atendimento receberem crianças e adolescentes vítimas de agressões físicas e sexuais, e a Lei n. 5.066/2019, que obriga conselhos tutelares a informarem às delegacias quando atenderem crianças e adolescentes vítimas de agressões físicas e sexuais. 

*Com informações da assessoria 

Leia mais:

Lei garante acompanhamento educacional a alunos em tratamento de saúde

Alessandra Campelo pede retorno dos restaurantes flutuantes no AM

Deputada protocoliza Moção de Apelo a Justiça por caso Mariana Ferrer