Propaganda eleitoral


Segundo TSE, mais de mil contas foram banidas no WhatsApp nas eleições

As contas foram banidas por disparos de mensagem em massa desde o início da propaganda eleitoral

O disparo de mensagens em massa é proibido e passível de punição no âmbito eleitoral
O disparo de mensagens em massa é proibido e passível de punição no âmbito eleitoral | Foto: Divulgação

Manaus - Aproximadamente 1.004 contas de WhatsApp foram banidas após denúncias de disparos em massa entre 27 de setembro e 15 de novembro, período do primeiro turno das eleições municipais.  A informação foi divulgada por meio de nota do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Além do primeiro turno, o período informado pelo TSE também corresponde ao início da propaganda eleitoral. 

O disparo de mensagens em massa é proibido e passível de punição no âmbito eleitoral, devido a Justiça Eleitoral entender que tem potencial de afetar o equilíbrio da disputa entre os candidatos.

Plataforma de denúncias

As contas banidas foram denunciadas na plataforma mantida pelo TSE e pelo WhatsApp, criada para tentar combater a disseminação de conteúdo falso, as chamadas fake news. O TSE também tem acordos com outras empresas de redes sociais.

Ao todo, o TSE informou ter recebido por este canal 4.759 denúncias. Além disso, o tribunal informou:

4.630 denúncias foram enviadas para análise do WhatsApp;3.236 denúncias foram efetivamente analisadas;1.004 contas foram banidas após análise;129 denúncias foram descartadas por não terem relação com as eleições.

Leia mais:

TSE autoriza envio de tropas federais para 35 municípios do Amazonas

TSE marca eleição em Macapá para 6 e 20 de dezembro

TSE garante que não ocorrerá atraso nos resultados do segundo turno