Fonte: OpenWeather

    Efeito Pandemia


    Bolsonaro associa alta de preços de alimentos ao isolamento social

    O presidente se referiu a medida preventiva como 'fica em casa' e afirmou que quase 'quebraram a economia'

    | Foto: Divulgação

    Brasil - O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta segunda-feira (23) que a alta dos preços enfrentada pelos consumidores brasileiros na compra de itens como arroz, óleo e carne é resultado do isolamento social, o que chamou de o “fique em casa”.

    A declaração foi feita a apoiadores na saída do Palácio do Alvorada.

    “O pessoal tem reclamado do preço dos alimentos. Tem subido, sim, além do normal. A gente lamenta isso daí. Também é uma consequência do 'fique em casa', quase quebraram a economia", declarou.

    Bolsonaro voltou a criticar o governador de São Paulo, João Doria, ao afirmar que o tucano aumentou os impostos na capital e emendou que está fazendo o possível para que os preços no país voltem à normalidade, mas que a culpa pelo encarecimento deve ser dirigida aos governadores.

    “São Paulo aumentou o ICMS [Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços] de quase tudo, inclusive de produtos da cesta básica. Tem muita coisa errada, sabemos disso, mas a responsabilidade tem que ser apontada para quem é de direito. Todo mundo aponta para mim essa questão dos preços dos alimentos. Estamos fazendo o possível para voltar à normalidade”, apontou sem dizer quais medidas estão sendo adotadas.

    Segundo o mandatário, caso o governo não tivesse implementado o auxílio emergencial, o Brasil estaria numa situação pior. “Se não tivéssemos feito o possível, como foi lá atrás, para ajudar pequena e microempresa, o auxílio emergencial, acho que estaria terrível a situação aqui no Brasil”.

    Agronegócio

    Bolsonaro rebateu ainda críticas ao agronegócio e disse ser a favor do “livre mercado” e que não pode diminuir a exportação de alimentos. “Agora tem uns criticando o agronegócio. Não é pouca gente, não. Coisas infundadas, mas não ouça, gente. Todo tempo, [dizendo] mentira e tentando desgastar o governo. Em vez da esquerdalha mostrar o que fez. Não vão mostrar porque só roubaram. Então, têm que tentar caluniar os outros”, alegou.

    “O pessoal esquece que a gente se endividou em R$ 700 bilhões [na pandemia] e passa a criticar que o agronegócio tem que vender aqui para dentro, não para fora. Olha, a soja toda tem que ser exportada, não tem como se consumir tudo aqui dentro. E eu sou a favor do livre mercado", complementou.

    Leia mais:

    Sem indícios de fraude, Bolsonaro volta a questionar urnas eletrônicas

    Bolsonaro apaga post em que mostrava apoio para candidatos

    Eduardo Bolsonaro volta a defender voto impresso