Fonte: OpenWeather

    Eleições 2020


    'Grupos diferentes podem ter atacado sistema do TSE', diz Barroso

    O presidente do TSE, o primeiro vazamento pode ter sido realizado por um grupo anarquista

     

    A invasão aos dados do TSE, segundo o tribunal, não trouxe risco ao sistema de votação eletrônica
    A invasão aos dados do TSE, segundo o tribunal, não trouxe risco ao sistema de votação eletrônica | Foto: Divulgação

    Manaus - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, declarou que os ataques hackers ao sistema da corte no primeiro turno das eleições municipais e em datas anteriores podem ter sido feitos por grupos diferentes.

    “No dia 15 de novembro, ocorreram duas situações diferentes. Houve um vazamento de informações, atribuído ao hacker português que tinha parceiros brasileiros, e isso parece fora de dúvida, e houve o que se chama de ataque maciço, conhecido como ataque de negação de serviço. Milhares de acessos simultâneos para tentar derrubar”, disse Barroso. 

    “Não tenho certeza plena de que ambos os eventos estejam conectados, é possível que sim e que não. A investigação está em uma fase inicial, não tenho certeza que tudo tenha sido por parte do mesmo grupo”, contou. 

    Segundo Barroso, o primeiro vazamento pode ter sido realizado por um grupo anarquista. O segundo, uma tentativa de derrubar o sistema órgão, “pode ter sido feita por grupos que tentam desacreditar a democracia e o processo eleitoral como um todo”.

    “Esses hackeamentos, você pode qualificar no Brasil em três grandes categorias: o anarquista, que quer provar que é possível violar o sistema, pessoas que invadem o sistema com criptografia e cobram um resgate para recuperar as coisas e as milícias digitais que tentam desestabilizar a democracia e o processo eleitoral. Essas são investigadas no inquérito do Alexandre de Moraes. São possibilidades diversas”, contou.

    As investigações, realizadas pela PF com a colaboração do TSE, apontam que a invasão aos sistemas do tribunal provavelmente ocorreu em data anterior a 1º de setembro e teria partido de Portugal. Até então, a especulação dos investigadores para o ataque era que teria ocorrido antes do dia 23 de outubro. 

    A invasão aos dados do TSE, segundo o tribunal, não trouxe risco ao sistema de votação eletrônica. As urnas não ficam conectadas à internet e a transmissão dos votos para totalização do resultado é feita por uma rede própria do tribunal que usa comunicação criptografada.

    Além disso, o processo de soma dos votos é realizado por um computador exclusivamente dedicado a esse processo.

    No dia 15 de novembro, data do primeiro turno das eleições municipais, um segundo ataque mirou os sistemas do TSE, com a intenção de retirá-los do ar. Conhecido como ataque de negação de serviço, esse tipo de prática consiste na realização artificial de milhares de acessos simultâneos a um site na expectativa de que a sobrecarga derrube o site.

    Leia mais:

    Ministro Luís Roberto Barroso associa pane do TSE à falta detestes

    Segundo TSE, mais de mil contas foram banidas no WhatsApp nas eleições

    TSE marca eleição em Macapá para 6 e 20 de dezembro