Fonte: OpenWeather

    Medida


    Projeto inclui ataque à democracia como causa de inelegibilidade

    A legislação atual considera inelegíveis os condenados à suspensão dos direitos políticos por improbidade administrativa que resulte em enriquecimento ilícito

     

    O projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania antes de ser votado pelo Plenário
    O projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania antes de ser votado pelo Plenário | Foto: Divulgação

    O Projeto de Lei Complementar 179/20 inclui o atentado ao livre exercício dos Poderes na Lei das Inelegibilidades. Pelo texto, ficará inelegível quem tiver suspendidos os direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, por crime contra o Estado e a ordem política e social, por um período de oito anos após o cumprimento da pena.

    A proposta tramita na Câmara dos Deputados e foi apresentada pelo deputado Gustavo Fruet (PDT-PR). Ele argumenta o Estado Democrático de Direito tem sofrido “ataques completamente descabidos”, o que justificaria a medida.

    “Atentar contra o livre funcionamento dos Poderes Legislativo e Judiciário é atentar contra a liberdade de todos nós”, afirma Fruet. “Os ataques que hoje se sucedem não têm como escopo senão a implantação de um sistema ditatorial. É obrigação nossa não permitir que indivíduos que não tenham nenhum compromisso com a democracia representativa utilizem de seus mecanismos para galgar postos de onde poderão mais facilmente vir a tentar destruí-la.”

    *Com informações da Agência Câmara de Notícias

    Leia Mais:

    Liminar suspende trecho da Lei da Ficha Limpa

    Câmara aprova que número de CPF seja única identificação

    Cidadania afasta deputado acusado de importunação sexual na Alesp