Fonte: OpenWeather

    Pandemia


    Parlamentares divergem sobre medidas extremas de combate à Covid-19

    Parlamentares defendem medidas como fechamento total do comércio, enquanto outros acreditam em ações que causem menor impacto econômico

     

    A normalização das atividades do comércio implica na grande circulação de cidadãos, impedindo o cumprimento das medidas de prevenção
    A normalização das atividades do comércio implica na grande circulação de cidadãos, impedindo o cumprimento das medidas de prevenção | Foto: Divulgação

    Manaus - Em um momento em que o estado do Amazonas alcançou a marca de 200 mil casos confirmados de Covid-19, o Governo do Estado adotou medidas de combate à propagação do vírus, como a determinação do fechamento do comércio não-essencial. Parlamentares do legislativo municipal e estadual defendem que sejam cumpridas ações de prevenção, porém nem todos defendem medidas consideradas extremas. 

    A capital amazonense padece com cada vez mais infectados diariamente e ocupação total de leitos nos hospitais particulares e públicos. O Amazonas alcançou a fase roxa de risco, indicando um índice expressivamente alto. A gravidade da situação reflete em questionamentos sobre as medidas a serem tomadas pelos representantes políticos, a nível municipal e estadual. Mesmo em período de recesso parlamentar, deputados estaduais e vereadores destacam medidas que devem ser seguidas pelos cidadãos.

    Para o deputado estadual Belarmino Lins (PP), medidas como o fechamento do comércio são necessárias para que se cumpra o distanciamento social e previna o aumento de casos, mesmo que provoque maiores impactos econômicos.

    “Na verdade, estamos travando uma guerra contra o coronavírus, não podemos admitir que vidas humanas continuem sendo ceifadas, temos que nos posicionar em defesa da vida, temos que ter atitude firme e defender a vida mesmo com o sacrifício da atividade econômica. É importante que todos entendam que esta é, sim, uma situação de guerra em que todos devem deixar de lado suas diferenças políticas e se unir, é preciso que haja um foco só, uma grande união, para que consigamos frear o avanço da Covid-19 na capital e no interior do estado”, afirmou o parlamentar.

    O vereador Rodrigo Guedes (PSC) destacou que as ações de combate ao coronavírus determinadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), além de outras medidas que não causem o fechamento total do comércio, são importantes e capazes de diminuir o constante aumento de casos de infecção pelo vírus. "Não defendo o lockdown. Acredito que há outras medidas menos extremas que poderiam ser adotadas sem precisar fechar todo o comércio", salientou.

    A deputada estadual e médica Mayara Pinheiro (PP) afirmou que é necessário que seja realizado um esforço mútuo, que a população siga à risca as medidas de prevenção já determinadas. Para a deputada, além dos cidadãos tomarem os cuidados necessários, o Poder Público precisa viabilizar a ampliação do número de leitos e a contratação de profissionais para a linha de frente, tanto diretamente quanto via Ministério da Saúde.

    "É o momento de reforçarmos o que a ciência já comprovou serem as medidas mais eficazes contra a propagação do vírus: distanciamento social, uso de álcool em gel e máscaras. Os cuidados precisam ser redobrados. Para que o ritmo de contaminação volte a cair, são fundamentais medidas mais restritivas a fim de se garantir o isolamento do maior número de pessoas quanto possível pelos próximos 15 dias. É importante ressaltar que o lockdown é uma alternativa extrema e não deveria ser necessário se nós, como sociedade, não tivéssemos relaxado nos cuidados preconizados pela OMS", afirmou.

    Ações na capital

    Ações integradas entre o Governo Federal, Estadual e a gestão municipal para conter o avanço da contaminação do vírus no estado estão sendo realizadas, assim como a busca por um alcance maior no atendimento aos infectados. O prefeito de Manaus, David Almeida, enfatizou que o município vai somar com o trabalho do Governo do Estado nesta questão.

    “Vemos o Governo do Estado abrindo leitos na Fcecon (Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado), nas maternidades e no Hospital Tropical. Ou seja, um esforço importante do Governo do Amazonas e do Governo Federal, e a Prefeitura não vai ficar omissa diante de tudo que está acontecendo. Estamos disponibilizando nossa mão de obra e nossas carretas móveis. Temos aí Casa Civil e Procuradoria do Município, que estão unidas com o governo estadual para que encontremos soluções”, destacou Almeida.

    Leia Mais:

    Hospitais em colapso e guerra contra coronavírus

    Wilson Lima e David Almeida se reúnem com Ministério da Saúde

    Saiba o que fica proibido por 15 dias com decreto no AM