Fonte: OpenWeather

    Congresso Nacional


    MP de Privatização da Eletrobrás recebe 570 emendas de parlamentares

    Um dos textos sugere que o modelo de privatização deverá ocorrer por meio de aumento da oferta de ações ao mercado

     

    | Foto: Divulgação

    Brasil - Deputados e senadores apresentaram 570 emendas ao texto da Medida Provisória (MP) 1.031/21, que trata da privatização da Eletrobrás. O prazo foi encerrado às 23h59 de quinta-feira (25).

    O texto sugere que o modelo de privatização da Eletrobrás deverá ocorrer por meio de aumento da oferta de ações ao mercado, de modo que a União, que hoje tem 60% da Eletrobrás, tenha sua participação acionária reduzida e passe a ser acionista minoritária. A União poderá também promover oferta pública de ações de sua propriedade.

    A MP foi entregue pelo presidente Jair Bolsonaro aos presidentes da Câmara, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, na última terça (23).  

    Debate antigo 

    O texto mais recente é bem parecido com o de outras duas propostas que tiveram a mesma finalidade: o projeto de lei proposto pelo governo Bolsonaro no final de 2019 que acabou não avançando no Congresso, e com o proposto pelo governo Temer, no início de 2018, que foi arquivado. A diferença é que a MP tem tramitação mais célere e, por isso, pode ajudar a destravar a discussão. Por enquanto, ainda não há definição de relatores da proposta na Câmara e no Senado.

    Efeito imediato

    Para evitar problemas no processo, um dos únicos poderes imediatos da vigência da MP da Eletrobrás é a liberação para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) iniciar estudos sobre o modelo de privatização da estatal. Fora isso, as outras medidas só terão efeito depois que o texto for aprovado e sancionado.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    José Ricardo apresenta emendas para garantir empregos no AM

    Bolsonaro entrega medida provisória para privatização da Eletrobrás

    Petrobras despenca em valores e perde 20% com intervenção de Bolsonaro