Fonte: OpenWeather

    Com a palavra


    ‘Quero deixar o meu nome na história’, diz Amom Mandel

    O vereador destacou que tem o objetivo de fiscalizar as ações do Poder Executivo para melhorar a vida da população amazonense

     

    O vereador destacou que pretende conscientizar as pessoas sobre o trabalho de cada parlamentar
    O vereador destacou que pretende conscientizar as pessoas sobre o trabalho de cada parlamentar | Foto: Divulgação

    Manaus - Cumprindo seu primeiro mandato como vereador de Manaus, Amom Mandel (Podemos) é o parlamentar mais jovem da legislatura, com 19 anos. Foi eleito com 7.537 votos, sendo o quinto vereador mais votado do pleito. Mandel atua há mais de sete anos em projetos de educação e democratização do conhecimento.

    O vereador apresentou entre suas pautas a modernização dos serviços públicos, a transparência, a preocupação com a Saúde do município e com o Meio Ambiente. Amom Mandel chamou atenção por assumir o compromisso de plantar uma árvore para cada voto recebido. O compromisso começou a ser cumprido antes da posse como vereador e é chamado de “projeto Galho Forte”.

    Em entrevista ao Jornal Amazonas Em Tempo, o vereador destacou que tem o objetivo de fiscalizar as ações do Poder Executivo para melhorar a vida das pessoas e promover o conhecimento político aos amazonenses.

    Confira a entrevista completa:

    EM TEMPO – O senhor assumiu o seu mandato em uma época muito difícil, em que o mundo vive uma pandemia. Além da crise sanitária, quais foram as maiores dificuldades enfrentadas nos primeiros meses de mandato?

    Amom Mandel –  Uma das maiores dificuldades é justamente relacionada às cobranças da população. Não porque eu não goste de ser cobrado, mas porque a falta de educação política e a falta de empenho dos políticos em levar o conhecimento da população faz com que muitos cobrem de um vereador aquilo é competência de um deputado e eu faço questão de combater essa desinformação. Por isso, criei uma plataforma gratuita de educação política. Nós vamos atuar em conjunto com essa plataforma levando livros às comunidades e explicando para as pessoas o papel de cada parlamentar, deputados estaduais, federais, vereadores e por aí vai. Para que a gente fortaleça a nossa democracia.

    EM TEMPO –  O senhor foi eleito carregando a bandeira da juventude. Em relação a esses temas, quais projetos voltados aos jovens, o senhor pode destacar em seu mandato?

    Amom Mandel – Como presidente do grupo jovem do meu partido busco sempre envolver a maior quantidade de jovens possível nas plataformas online. Eu estimulo que todos eles participem da política. Procuro dizer que participar da política não é só ser candidato a ser parlamentar ou ser chefe do poder em alguma esfera, fazer política é muito mais que isso. É transformar o mundo a sua volta. Se você cobra o seu representante, acompanha o que acontece, as notícias e busca sempre a verdade e a informação você está contribuindo para o fortalecimento da democracia que é fundamental para o seu próprio benefício, pois o benefício da coletividade também não é seu benefício.

    EM TEMPO - Sendo minoria no parlamento, por se declarar como oposição do Poder Executivo, como o senhor pretende agir, para que seus projetos ganhem adesão da maioria e sejam aprovados na Câmara Municipal?

    Amom Mandel – Eu busco sempre utilizar as plataformas onlines. Eu acabei ganhando muitos seguidores. Tendo muitos acessos na plataforma do gabinete online, no meu site pessoal e através da divulgação da informação. Assim, eu busco estimular para que a própria população faça a cobrança, porque eu acredito que um mandato aliado ao apoio popular é muito mais forte. Busco sempre perguntar o que o povo quer. Eu sou um representante do povo e não da minha vontade. Por isso, eu sempre coloco perguntas nas redes sociais e utilizo as redes sociais como uma forma de estreitar os laços com a população.

    "

    Participar da política não é só ser candidato a ser parlamentar ou ser chefe do poder em alguma esfera, fazer política é muito mais que isso. É transformar o mundo a sua volta. "

    vereador, Amom Mandel, sobre a participação da população na política

     

    EM TEMPO - O processo seletivo que o senhor realizou para preencher o quadro de assessores em seu gabinete gerou algumas críticas nas redes sociais. Como o senhor avalia a situação?

    Amom Mandel – Eu respondo sempre às críticas com trabalho porque eu acredito que esse é o pilar central e principal do mandato parlamentar. E as pessoas criticam porque não possuem conhecimento. Muitos blogs me atacaram, com fake news, inclusive dizendo que meu gabinete estava lotado. Na verdade, eu reservei desde o início, uma parte das vagas de gabinete para as pessoas do processo seletivo. Desde o início, eu cumpri com esse compromisso que, inclusive não foi compromisso da campanha e sim pós campanha. Depois que fui eleito, eu decidi e falei que iria fazer um processo seletivo. Quero dar o bom exemplo do que fazer com a coisa pública. É um processo seletivo desse tipo que a gente faz isso. Eu preencherei alguns cargos técnicos a partir do processo, para reforçar nossa equipe jurídica, nossa equipe de comunicação e atendimento ao público. 

    EM TEMPO - Pessoas ligadas ao esporte queixam-se da falta de investimento no setor nos últimos anos. O que deve ser proposto em seu mandato para dar resposta a essas queixas na área esportiva?

    Amom Mandel – Tenho sim um projeto, o nome dele é o projeto Amadeu Teixeira que consiste em uma série de Projetos de Lei, parcerias institucionais, cooperações técnicas e indicações do Poder Executivo. Com o objetivo único de reduzir o sedentarismo e a falta da prática de esportes por parte das pessoas aqui em Manaus. Um exemplo seria uma possível lei de incentivo ao uso dos espaços públicos do espaço públicos, quadras, campos, entre outros. Eu estou em contato com a Sejel, com o subsecretário Platiny Soares, justamente tratando desse projeto, que é participativo e colaborativo, como tudo que eu faço. Tenho angariado voluntários, vamos criar uma rede de profissionais, vou usar a minha estrutura pessoal, a estrutura do gabinete para fazer com que as populações das comunidades passem a receber esses profissionais. Eu acredito que para mudar a política, a gente precisa primeiro mudar a cultura, incluindo uma cultura de prática de esportes. Quando as pessoas praticam mais esportes a gente consegue reduzir a incidência de doenças, como a diabetes por exemplo. E lá na frente reduzir os custos com a saúde pública. Então não é um gasto, mas um investimento inteligente. Quero transformar o que atualmente é uma política de governo, em uma política de Estado. Uma coisa duradoura. E vamos transformar através desse projeto de lei.

    EM TEMPO - Durante a sua campanha, o senhor falou muito em modernização do setor público. Quais são as ideias que o senhor tem em relação a modernização e como pretende aprovar tais projetos?

    Amom Mandel – Modernizar não diz respeita apenas a tecnologia e sim a toda a abordagem do mandato, que é justamente isso que eu tenho procurado fazer. Ainda que a gente não tenha mudado de forma substancial o funcionamento da prefeitura, por exemplo, eu defendi desde o primeiro dia uma plataforma online que utiliza uma abordagem alternativa, diferente de outros parlamentares do Brasil. Assim, modernizamos os mandatos e o trabalho do parlamentar. Fora isso, temos algumas ideias realizadas especificamente com a tecnologia, já existe um aplicativo chamado Cadê meu Ônibus aqui em Manaus, mas o aplicativo não funciona bem. Então, o que eu quero é, através de projetos de lei e indicações ao Poder Executivo, estabelecer critérios de qualidades, critérios mais claros para que a gente possa fiscalizar adequadamente o funcionamento do sistema, fiscalizar os contratos. Tenho uma série de ideias e vou mandar todas como indicações e projetos.

     

    | Foto: Divulgação

    EM TEMPO - O próximo ano será de eleições gerais. O senhor pretende se candidatar para algum cargo no parlamento estadual ou manterá seu mandato na Câmara Municipal?

    Amom Mandel – Nesse momento tem muita gente me pressionando até porque nós tivemos um crescimento explosivo, quando eu comecei a fazer as cobranças do Executivo. E aí viram que muitos vereadores não fazem uma cobrança tão incisiva e talvez isso levantou muito interesse da população e, ter meu nome como candidato no ano que vem, mas nesse momento, eu penso apenas no mandato de vereador e cumprir os compromissos que eu assumi na campanha. O meu objetivo é melhorar a vida das pessoas.

    EM TEMPO - Quais suas impressões sobre o panorama político que se desenha para as eleições presidenciais do ano que vem?

    Amom Mandel – Eu acredito que nós vamos ter o Lula como candidato muito provavelmente. Sinceramente eu acredito que essa polarização política entre Bolsonaro e Lula não é saudável para nossa democracia. Quando a gente polariza e cria extremos, também criamos riscos. As pessoas passam a hostilizar tanto a extrema esquerda quanto a extrema direita, a mídia, os parlamentares de forma geral e as instituições enfraquecem. A minha esperança é que isso não aconteça. O que interessa não é quem, mas sim as propostas quem devem ser apresentadas pelos candidatos.

    EM TEMPO - A cidade de Manaus é um dos corredores do tráfico no estado e a cidade sofre com a presença de grandes facções. Como a câmara pode ajudar a combater a presença do crime organizado na capital?

    Amom Mandel – Muito tem se falado sobre a segurança municipal principalmente lá na própria Câmara onde não tem o efetivo da Guarda Municipal. Mas, a discussão é muito mais ampla do que isso. Embora não seja de competência da Câmara Municipal tratar da segurança pública, nós temos muito a contribuir. Então, por meio do projeto Amadeu Teixeira estou fazendo um mapeamento das quadras do município, então eu tomo conhecimento de quais locais estão tomadas pelo tráfico. E nesse momento precisamos de um canal aberto com a polícia como a Secretaria de Segurança do Estado para que possamos combater diretamente essa criminalidade. Esse é um exemplo de coisas que nós, como vereadores, podemos fazer nesse termo de cooperação técnica.

    "

    Quero transformar o que atualmente é uma política de governo, em uma política de Estado. Uma política duradoura. "

    vereador, Amom Mandel, sobre as ações públicas para a sociedade

     

    EM TEMPO - A capital cresceu muito nos últimos anos e conta com um gargalo enorme na área do trânsito. O senhor tem algum projeto para resolver o problema da mobilidade urbana e o transporte público na capital?

    Amom Mandel –Não adianta fazer uma lei e ela continuar no papel. A lei não é rígida, as palavras no papel não são rígidas, mas as pessoas e o Poder Executivo sim. E essa iniciativa tem que partir do prefeito David Almeida para que ele exija. Afinal, ele é quem faz os contratos com as empresas de ônibus. A Câmara Municipal fiscaliza esses contratos e identifica as irregularidades.  O executivo serve justamente para executar a lei que já existe e essa lei não tem sido executada.

    EM TEMPO - O senhor teve um destaque significativo na Câmara Municipal, desde que o senhor foi eleito, qual legado o senhor quer deixar com o seu trabalho?

    Amom Mandel - Eu sou vereador de Manaus e não vereador de quem votou em mim. E o meu objetivo aqui é melhorar a vida das pessoas. Eu tenho medo de morrer cedo, pois eu tenho duas doenças autoimunes, tomo vários medicamentos diariamente. Então, eu não sei se eu vou viver muito ou pouco, mas eu espero que no tempo em que eu estiver aqui eu consiga fazer algo de bom para deixar o meu nome na história. Esse é o meu objetivo ao entrar na política. Eu quero deixar uma marca positiva no mundo. 

    Leia mais:

    Processo para gabinete de vereador da CMM tem mais de 5 mil inscrições

    'As pessoas vão se surpreender com meu trabalho', diz Amom Mandel

    Vereadores reeleitos podem ter dificuldades para manter a popularidade