Fonte: OpenWeather

    Com a palavra


    'Vou brigar para que as coisas aconteçam', diz vereador Allan Campelo

    O vereador destacou suas principais pautas e o foco em prevenção às drogas para jovens e comunidades carentes.

     

    O vereador discorreu sobre suas principais pautas e a necessidade de diálogo com jovens para promoção de esporte e lazer
    O vereador discorreu sobre suas principais pautas e a necessidade de diálogo com jovens para promoção de esporte e lazer | Foto: Brayan Riker

    Manaus -  Recém eleito vereador de Manaus, Allan Campelo, que é formado em psicologia, especialista em saúde mental e dependência química, e atualmente  está filiado ao Partido Social Cristão, disse que vai lutar pela prevenção às drogas e saúde mental dos manauaras. Além disso, em seu primeiro mandato, estão entre suas principais pautas, a proteção da família, melhorias na assistência social da capital e na infraestutura urbana.

    Em entrevista exclusiva concedida ao Em Tempo, o vereador discorreu sobre suas principais pautas e a necessidade de diálogo com jovens para promoção de esporte e lazer como forma de prevenção ao uso de drogas.

    "Temos que começar na base, com crianças do ensino fundamental, trabalhando a prevenção"

     


    EM TEMPO - Como vereador de primeiro mandato, quais os principais desafios que o senhor se deparou dentro do parlamento municipal?

    Allan Campelo - Nossa equipe é formada por pessoas novas e está sendo tudo uma novidade pra gente. Estamos procurando entender como funcionam as leis, o regimento interno da Câmara municipal e a Lei que rege o nosso município. Apesar de termos protocolado vários ofícios e requerimentos, ainda estamos procurando entender o funcionamento dessa engrenagem que liga o Executivo ao poder Legislativo, que somos nós. 

    ET - Vereador, todo politico entra no poder público defendendo certas bandeiras. quais seriam as que são defendidas pelo senhor no parlamento?

    AC - Em formação, sou psicólogo, e tenho especialização em dependência química e saúde mental. Por isso, minha principal bandeira é a prevenção às drogas e o tratamento. Percebo que o poder público tem deixado isso a desejar, e é um tema muito atual e relevante. Temos que começar na base, com crianças do ensino fundamental, trabalhando a prevenção.

    Quando falamos de prevenção às drogas, estamos falando de jovens. Sou ligado ao esporte e lazer, defendo que projetos sociais do tipo voltem às comunidades carentes que mais precisam.

     

    "A saúde mental deve ser levada a sério"
    "A saúde mental deve ser levada a sério" | Foto: Brayan Riker

    ET - Em plenário, o senhor tem dado grande apoio para centros psicossociais. Como o vereador vê a realidade do setor em nossa cidade?

    AC - A saúde mental deve ser levada a sério, e infelizmente não temos estrutura. Metade da população do estado se encontra em Manaus, e faltam psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais em Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) ou estrutura física para atender quem precisa deste apoio.

    Luto para que o poder municipal crie mais CAPS, e também conversei com deputados federais para conseguir recursos de Brasília para essa implementação.

    Além disso, é inadmissível que assistentes sociais estejam fora da lista de prioridades para vacina contra a Covid-19 pois são linha de frente nos hospitais. Após a pandemia, esta é a classe que mais trabalhará prestando apoio à população.

    ET -  Em tempos de pandemia, houve grande crise econômica e financeira. Quais suas propostas para geração de emprego à população?

    AC - Com o aumento de CAPS na cidade,  haverá mais assistentes sociais, psicólogos, psiquiatras e assistentes administrativos. Ou seja, mais emprego.

    Já para a área privada, pretendo propor um projeto de lei de incentivo ao esporte, o chamado “Bom de Luta”. Só no “Bom de Bola”, projeto do governo de 10 anos atrás, havia movimentação de 10 mil jovens, 100 profissionais empregados, 100 estagiários e algumas dezenas de professores de educação física. Agora, imagine o mesmo em outras atividades como Zumba, Taekwondo e Jiu-jitsu, por exemplo.

    Assim, teremos uma contração de profissionais para amenizar a crise e falta de emprego nesse momento de pandemia.

     

    Vereador visa promover uma prevenção contínua aos jovens e crianças
    Vereador visa promover uma prevenção contínua aos jovens e crianças | Foto: Brayan Riker

    ET- Vereador, nas últimas semanas o senhor esteve reunido com o secretário municipal de educação solicitando uma campanha de prevenção as drogas nas escolas. Qual a importância dessa pauta para estudantes?

     AC - Para lidar com essa comunicação aos jovens, é preciso ser especialista na área.  Trabalho com isso há muitos anos. Hoje, nossos jovens estão tomados por entorpecentes nas comunidades carentes. Enquanto o estado não assiste esses indivíduos com cultura e esporte, eles arranjam outra coisa para fazer. Agora, se o jovem estiver inserido em um projeto de lazer, estará ocupado e estudando. Eles só precisam de oportunidade.

    Minha ideia, além disso, é promover uma prevenção contínua aos jovens e crianças, discutindo essa questão através de atividades lúdicas como concursos, gincanas e redações para que, assim, conheçam o lado ruim das drogas. Precisamos debater.

    "Teremos uma contração de profissionais para amenizar a crise e falta de emprego nesse momento de pandemia"

     

    ET-  O senhor solicitou o retorno do programa Bolsa Atleta. Como será essa sua atuação em relação aos esportes?

    AC - O Bolsa Atleta é fundamental para atletas que sonham com olimpíadas no futuro, e sem esse apoio, perdemos vários jovens excelentes. Num esporte de alto rendimento, é difícil conciliar oito horas de trabalho com o tempo de treino. Devemos levar em consideração que poucas instituições oferecem bolsas a esses alunos. É preciso de incentivo.

    No governo Bolsonaro, houve a extinção do Ministério do Esporte, e a Secretaria Estadual daqui se tornou uma fundação. Além disso, com a recente lei de contenção de gastos, impossibilitando o retorno da secretaria. Isso gerou prejuízo nos esportes.

    ET  - Na pasta da infraestrutura, quais os principais problemas que o senhor enxerga na cidade e como o poder público poderia solucionar esta questão?

    AC - Vejo que melhoramos muito, do executivo ao legislativo. Sou de família carente, meu pai consertava carros e minha mãe vendia roupas até um dia desses. Conhecemos a realidade de Manaus, que é a periferia, como no caso da Zona Norte 2, Colônia Terra Nova, Novo Israel. Ali, não passa carro nas ruas há 10 anos.

    No entanto, a nova gestão da Prefeitura está diuturnamente nas ruas, e isso é uma melhora. Aprovamos, inclusive, o empréstimo de R$450 milhões para a Prefeitura, e parte será utilizada na infraestrutura para questões como tapa-buracos, esgoto e drenagem. A população apenas quer que seus problemas sejam resolvidos. Cabe a nós, vereadores, fiscalizarmos.

    Sou vereador das comunidades carentes, e vou dar o meu melhor para que Manaus tenha uma qualidade de vida ótima

    ET -  O que a população de Manaus pode esperar do senhor nos próximos quatro anos? O senhor vai tentar uma vaga na Aleam ou no Congresso em 2022?

    AC - Sou vereador das comunidades carentes, e vou dar o meu melhor para que Manaus tenha uma qualidade de vida ótima. Talvez não seja a cidade de nossos sonhos, mas com certeza não será a Manaus de nossos pesadelos. Visitamos as comunidades, cobramos a prefeitura e percebemos uma resposta efetiva de demandas. As coisas estão acontecendo!

    Tenho um compromisso com Manaus, e meu compromisso é até o último dia do meu mandato. Temos trabalhos de anos em algumas comunidades, e o povo precisa de respostas. Seria inadmissível abandonar este projeto que construímos, afinal a comunidade me colocou na Câmara para isso. Ficarei até último dia brigando por vocês!

    Leia mais:

    'As bandeiras que me elegeram, vou defender até o fim', diz Thaysa

    Deputados negam assinatura em PL que torna Bolsonaro cidadão do AM

    Bolsonaro inaugura nova etapa de centro de convenções em Manaus