Fonte: OpenWeather

    Máscara


    Bolsonaro manda jornalista calar a boca após pergunta sobre máscara

    O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo repudiou a atitude do presidente

     

    O presidente estava em Guaratinguetá nesta segunda-feira para acompanhar solenidade de promoção da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR)
    O presidente estava em Guaratinguetá nesta segunda-feira para acompanhar solenidade de promoção da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) | Foto: Divulgação

    Em nova manifestação contra o uso de máscaras, o presidente Jair Bolsonaro ofendeu uma jornalista que o questionou sobre o uso da proteção em evento em Guaratinguetá (SP), nesta segunda-feira (21).

    Bolsonaro mandou a profissional  "calar a boca" e a acusou de ser "canalha" por chamar a atenção ao fato de o presidente da República descumprir a lei ao não utilizar o item, considerado por autoridades de saúde como forma eficaz de se evitar a transmissão da covid-19.

    "Eu chego como eu quiser onde eu quiser, está certo? Eu cuido da minha vida. Se você não quiser usar máscara, você não use", disse "Estou sem máscara em Guaratinguetá. Está feliz agora?", questionou Bolsonaro, dirigindo-se à repórter da TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo.

    O presidente estava em Guaratinguetá nesta segunda-feira para acompanhar solenidade de promoção da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR). Na ocasião, ao chegar ao local, não usava máscara. 

      Na entrevista após o evento, já com a proteção, Bolsonaro se irritou quando uma jornalista da TV Vanguarda tentou questioná-lo sobre a multa que ele recebeu por não utilizar máscara durante a participação em uma motociata em São Paulo, no último dia 12.  

    O presidente interrompeu a repórter e pediu que fizessem "perguntas decentes". Em seguida, insultou a profissional. "Cale a boca, vocês são uns canalhas. Vocês fazem um jornalismo canalha, que não ajuda em nada. Vocês destroem a família brasileira, destroem a religião brasileira, vocês não prestam", disse à jornalista após questionar de qual veículo ela era.

    Enquanto falava, exaltado, retirou a máscara. O gesto foi seguido pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que o acompanhava no evento.

    Por meio de um comunicado, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo  repudiou a atitude do presidente.

    "O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam a atitude brutal do presidente. Ela se deu em novo caso de ataque ao exercício profissional do jornalismo, que Bolsonaro já provou reiteradamente desprezar, tanto quanto despreza a própria democracia", disse o texto.

    "O SJSP e a Fenaj expressam sua solidariedade às(aos) jornalistas da Rede Globo de Televisão, contra as revoltantes agressões do cidadão desqualificado que ocupa a cadeira de presidente. O Sindicato move desde 7 de abril de 2021 uma ação por danos morais coletivos contra Bolsonaro por ataques como este", disse a nota.

    *Com informações do Estadão

    Leia Mais:

    Prefeito de Amaturá exonera 16 parentes nomeados em cargos públicos

    Bolsonaro ataca Lula: ‘Só na fraude o nove dedos volta’

    'Diabinho' é preso após furtar casa de policial civil na Compensa