Fonte: OpenWeather

    Dados COP


    Governo segurou dados sobre desmatamento na Amazônia para após a COP

    Data de documento publicado hoje pelo Inpe revela que governo sabia desde antes da COP sobre o aumento do desmatamento no país

     

    | Foto: Divulgação

    Brasília - Dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite-Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), publicados nesta quinta-feira (18), mostram que o desmatamento na Amazônia, nos 12 meses entre agosto de 2020 e julho de 2021, foi o maior para esse intervalo de tempo desde 2006. Com um total de 13,235 mil km² árvores perdidas no último ano, a informação, entretanto, era conhecida pelo governo brasileiro desde antes da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP 26).

    A data de 27 de outubro na nota técnica informa que o péssimo resultado já era sabido pelas autoridades, mas apenas agora foi publicado. A COP, realizada em Glasgow, na Escócia, começou quatro dias depois que as informações sobre o desmatamento foram liberadas.

    Na última segunda-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, diante de empresários e autoridades árabes, que a Amazônia é “úmida” e “não pega fogo”. Em 2020, o mandatário do país fez a mesma observação e afirmou haver uma “seita ambiental” europeia, cujo interesses são estimular uma “briga comercial” para prejudicar o agronegócio brasileiro.

    Em uma conversa recente com a imprensa, o presidente chegou a dizer que o Brasil foi “atacado” durante a (COP 26): “Ali [COP] é um local onde quase todos apresentam os problemas para os outros resolverem. Você pode ver. China, Índia, EUA não assinaram nada. Nós somos os que mais contribuímos para a não emissão de gases de efeito estufa e que por vezes mais pagamos a conta, mais somos atacados”, disse o presidente.

    *Com informações do Metrópoles 

    Leia mais: 

    Lira contraria Bolsonaro e não vê espaço para aumento de servidores 

    Comenda Zumbi dos Palmares é defendida pelo deputado Zé Ricardo

    "Não autorizei", diz Luiz Castro sobre candidatura ao Senado pela Rede