Fonte: OpenWeather

    Covid-19


    Maioria da Aleam e CMM aprova vacinação infantil

    Com o início da vacinação infantil prevista ainda no mês de janeiro, maioria dos parlamentares concorda sobre benefícios do imunizante

     

    | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Conforme o planejamento divulgado pelo Ministério da Saúde, no Amazonas, as primeiras doses da vacina para as crianças chegam ao Estado nesta sexta-feira (14). A aplicação, será escalonada por grupos prioritários e deve ser iniciada ainda este mês.

      Com o início da vacinação infantil prevista ainda no mês de janeiro, parlamentares da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) e Câmara Municipal de Manaus (CMM), em sua maioria aprovam a imunização deste grupo.  

    Segundo o deputado estadual Angelus Figueira (Democracia Cristã), a vacinação deve ser distribuída para todos os grupos populacionais. Ele fundamenta sua decisão nas orientações de médicos especialistas.

    "Se a própria Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) é a favor e estimula os pais a vacinarem suas crianças, quem sou eu para ser contra? Sou a favor da vacinação para todos. Eu mesmo já recebi todas as doses orientadas. Ao longo da história, doenças foram erradicadas por meio de vacinas eficazes. Creio em Deus e na ciência, que é uma dádiva dEle", disse Angelus.

    Ao todo, o Brasil deve receber ainda este mês, 4,3 milhões de doses, somando o quantitativo para adultos e crianças. O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB), além de apoiar a vacinação infantil, salientou que repudia a atitude do governo federal em adiar a decisão de iniciar a vacinação para o grupo.

    "

    A vacinação é o caminho para todos, inclusive para as crianças. É um absurdo que o governo tenha resistido e adiado por tanto tempo o início da vacinação para a população infantil. Eu apoio e repudio a atitude do governo em agir desta maneira "

    , afirmou o deputado

     

    Em sua declaração, o deputado estadual Sinésio Campos (PT), relembrou casos de doenças onde a vacina durante a infância, foi o fator principal para o controle das mesmas. Ele também criticou aqueles que ainda hoje, questionam a eficácia da vacina.

    “Eu vejo que foi exatamente as vacinas nas crianças, que o Brasil eliminou a paralisia infantil, o sarampo, coqueluche e catapora. Então para mim, ela (vacina contra Covid-19) já deveria ser incluída na carteira de vacina”, disse ele.

    O também deputado Belarmino Lins (PP), acredita que a decisão de vacinação nas crianças deve ser discutida pelos familiares, afirmando a importância de que os pais estejam cientes de todos os riscos e benefícios associados à vacinação contra COVID-19.

    “A vacinação infantil contra COVID-19 para crianças de 5 a 11 anos, já aprovada pela Anvisa, tem sido tema de muita polêmica uma vez que tem sido descrito casos raros de Miocardite (inflamação do músculo do coração) e tal efeito adverso associado à vacina tem gerado muita preocupação aos pais das crianças. No meu entendimento, penso que os pais devem conversar e discutir bem todos os aspectos relacionados à vacinação conta COVID-19, com o pediatra de seus filhos e assim chegarem num consenso sobre a realização da mesma”, disse o deputado.

    Na Câmara Municipal

    O vereador Rodrigo Guedes (PSC), pai de uma criança, afirmou ser a favor da vacinação para o grupo. O parlamentar perdeu o pai em 2021 em decorrência de complicações da Covid-19. 

    “Apoio toda vacinação que, obviamente, foi liberada pelos órgãos reguladores. Então, sim, apoio”, afirmou Guedes.

    Para a vereadora Professora Jacqueline (Podemos), já que a Anvisa aprovou a vacina e incluiu no plano anual de vacinação, os pais são obrigados a vacinarem seus filhos.

    "

    Os pais não são donos de seus filhos, do ponto de vista jurídico, é por isso que a palavra que os pais têm sobre os filhos é guarda e não posse. E como responsáveis, os pais possuem os deveres legais sob seus filhos, até mais do que direitos, por exemplo. Os pais não podem comprometer a saúde dos filhos por nenhuma convicção filosófica ou religiosa. Está no artigo 14 do Estatuto da Criança e do Adolescente diz é obrigatória a vacinação das crianças nos casos de recomendação das entidades sanitárias "

    , afirmou a vereadora

     

    Em contradição às ideias já apresentadas por representantes da CMM (Câmara Municipal de Manaus) na matéria, o vereador Raiff Matos (Democracia Cristã), afirma que a vacinação de crianças de 5 a 11 anos deve ser opcional e não obrigatória aos pais e responsáveis. Segundo ele, não há suficiente margem de segurança para sua aplicação sem riscos.

    “Me preocupa o fato de essa vacinação exigir um protocolo especial de aplicação. Deve-se, por exemplo, esperar 20 minutos após a vacinação para confirmar que não houve problema. Os pais também devem ser avisados sobre os riscos e assumir a responsabilidade por eventuais problemas”, disse Raiff.

    Casos do vírus em crianças

    Em nota publicada na última sexta-feira (7), pelo Instituto Butantan (local onde se desenvolve estudos e pesquisa básica nas áreas de biologia e de biomedicina relacionados, direta ou indiretamente, com a saúde pública), no Brasil Covid-19 já matou mais de 1.400 crianças de zero a 11 anos e deixou inúmeras com sequelas.

    “A vacinação desse público é estratégia importante para reduzir o número de mortes por conta da Covid-19 nessa faixa etária no Brasil, cujos indicadores são mais expressivos do que em outras nações”, descreveu a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em nota publicada na última sexta-feira (7).

    Leia mais: 

    Prefeitura de Manaus abre Centro de Testagem para Covid-19 

    Bolsonaro: Ômicron “não matou ninguém” e é “bem-vinda” no Brasil 

    Wilson Lima destaca ações de vacinação em supermercados de Manaus